Brasil

Doria defende chapa Bruno-Joice e fala em fusão com DEM na eleição de SP

"Quanto mais perto Joice Hasselmann estiver do Bruno Covas mais feliz eu serei", disse Doria sobre a disputa pela Prefeitura de São Paulo

Eleições 2020: governador apoia chapa entre PSDB e DEM (Cleber Mata \ SECOM/Flickr)

Eleições 2020: governador apoia chapa entre PSDB e DEM (Cleber Mata \ SECOM/Flickr)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 25 de novembro de 2019 às 12h35.

Última atualização em 25 de novembro de 2019 às 12h35.

O governador paulista João Doria (PSDB) defendeu publicamente uma aliança entre o prefeito Bruno Covas (PSDB) e a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) na disputa pela Prefeitura de São Paulo em 2020. "Por que não (uma chapa unificada)? O Bruno é o candidato do PSDB e será reeleito. A Joice é uma deputada brilhante", disse Doria em São Francisco, nos Estados Unidos.

Na semana passada, Covas recebeu apoio explícito de Doria para a candidatura à reeleição, ao retomar a rotina na Prefeitura após internação para tratar um câncer na região do estômago. Na ocasião, o governador já havia falado de Joice.

"É uma pessoa de grande valor. Quanto mais perto ela estiver do Bruno mais feliz eu serei", disse Doria, que participou de uma entrevista coletiva ao lado do prefeito. Essa foi, para o grupo de Covas, a senha da estratégia do governador, que tem como principal objetivo derrotar o bolsonarismo em 2020 para evitar que o presidente Jair Bolsonaro construa uma base consistente na capital paulista.

Para Doria, que é apontado no PSDB como pré-candidato à Presidência em 2022, o "centro" precisa se aglutinar já nas eleições municipais do ano que vem. "Em 2020 vão se estabelecer claramente dois campos, que farão um grande confronto: a extrema esquerda e a extrema direita. As eleições municipais se anteciparão ao que serão as eleições gerais de 2022. Isso traz de forma de muito clara o campo do centro democrático, que são aqueles que, como eu, defendem o diálogo e a serenidade."

Com a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão ganhou força no PSDB a discussão sobre a possibilidade de uma fusão com o DEM e/ou o PSL, que rompeu com Bolsonaro.

Uma das principais lideranças do PSDB, Doria promove nos bastidores uma aproximação da legenda com o PSL, que também avalia uma possível fusão com o DEM. "Esse debate (sobre fusão partidária) pode voltar. Vejo isso com naturalidade. Não somos refratários ou contrários a isso. Havendo a possibilidade é algo a se dialogar e a se pensar", disse Doria em conversa com jornalistas no fim de semana ma cidade norte-americana, onde realizou um tour em busca de investimentos na área de tecnologia para o Estado de São Paulo.

O tucano acredita que a saída de Lula da prisão vai aglutinar a esquerda em torno do petista. "Os movimentos de esquerda estavam desaglutinados desde a prisão dele. Lula terá um papel expressivo nas eleições municipais de 2020", afirmou Doria.

Acompanhe tudo sobre:Bruno CovasDemocratas (DEM)EleiçõesJoão Doria JúniorJoice HasselmannPSDB

Mais de Brasil

AliExpress e Shopee antecipam data de taxação de compras de até US$ 50; veja quando passa a valer

PM impõe 100 anos de sigilo a processos disciplinares de Mello, candidato a vice de Nunes em SP

Quem é Eduardo Cavaliere, o mais cotado para vice de Paes após recuo de Pedro Paulo

Lula cobra pedido de desculpas de Milei e diz que relação entre países depende da postura argentina

Mais na Exame