“Venha ver as pessoas agonizando nos leitos“, diz Doria a Bolsonaro

O governador rebateu crítica do presidente de que a culpa pelo alto número de mortes por coronavírus era de governadores e prefeitos

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rebateu nesta quarta-feira, 29, as declarações do presidente Jair Bolsonaro – que disse que cabia a Doria explicar o alto número de mortos pela covid-19 no estado e responsabilizou governadores e prefeitos pelos óbitos – e cobrou respeito pelas vítimas da pandemia.

Saia dessa sua redoma de Brasília e venha visitar comigo o Hospital das Clínicas, o Hospital do M’Boi Mirim aqui na capital de São Paulo e os hospitais de campanha. Venha ver a ver a gripezinha e o resfriadozinho, as pessoas agonizando nos leitos“, disse em entrevista coletiva.

Doria também criticou Bolsonaro por ter respondido “quer que eu faça o quê?” quando indagado por jornalistas sobre o recorde diário de mortes por Covid-19 registrado na terça-feira e pelo fato de o Brasil ter superado o número de mortes da China.

“Respeite os médicos os profissionais de Saúde que ao contrário do senhor, que vai pro estande de tiro, estão trabalhando para salvar vidas e proteger seres humanos”.

“Eu posso enumerar, presidente Jair Bolsonaro, algumas atitudes que o senhor já deveria ter tomado como presidente da República e não adotou. Esta é a resposta do ‘fazer o quê?’ É fazer aquilo que o senhor não fez”, disse Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

“Começando por respeitar os brasileiros que o elegeram presidente da República e os que não o elegeram também. Respeitando pais, mães, avós, parentes e amigos que perderam sua vida no Brasil pelo coronavírus. O coronavírus que o senhor classificou de uma ‘gripezinha'”, disparou.

O governador ainda mencionou a ida do presidente a um estande de tiro no dia em que o país alcançou a marca de 5 mil mortes por coronavírus. “Bolsonaro, em vez de treinar tiro, treine a compaixão”, disse .

Doria, que tinha ao seu lado o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), também anunciou que, a partir de 4 de maio, será obrigatório o uso de máscaras nos transportes públicos de responsabilidade do Estado e da prefeitura, assim como em táxis e transportes por aplicativo

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.