Brasil

Dia do Doador de Sangue: quem pode doar e como funciona?

A data foi criada pela Assembleia Mundial da Saúde como uma forma de agradecer os doadores e incentivar mais pessoas a doar sangue

Doação de Sangue: saiba tudo sobre quem pode ou não doar (iStock/Thinkstock)

Doação de Sangue: saiba tudo sobre quem pode ou não doar (iStock/Thinkstock)

Luiza Vilela
Luiza Vilela

Repórter de POP e redatora da Homepage

Publicado em 14 de junho de 2023 às 11h07.

Em 14 de junho comemora-se o Dia Mundial do Doador de Sangue, uma homenagem a todos aqueles que, por meio da doação, salvaram vidas — e funciona também como um incentivo para novos doadores.

Embora a necessidade de sangue seguro seja universal, os hemocentros das cidades brasileiras enfrentam dificuldades para encontrar novos doadores. Dados do Ministério da Saúde informam que globalmente, 42% do sangue doado é coletado em países de alta renda, que abrigam apenas 16% da população mundial.

No Brasil, somente 1,4% da população é doadora regular de sangue; um número bastante baixo para a quantidade de pessoas que necessitam da doação. Para se ter ideia, o sangue doado pode ajudar em tratamentos e intervenções urgentes, pode salvar vidas em emergências envolvendo acidentes e hemorragias, apoia procedimentos médicos e cirúrgicos complexos e pode auxiliar nos cuidados maternos e neonatais.

Origem do Dia Mundial do Doador de Sangue

A escolha da data chegou em 2005, na Assembleia Mundial da Saúde, como uma forma de agradecer os doadores e incentivar mais pessoas a doar sangue. O dia 14 vem em homenagem ao aniversário de Karl Landsteiner, que descobriu o fator Rh no sangue (positivo ou negativo) e as variações existentes entre os tipos sanguíneos (A, B, AB e O).

Quem pode doar sangue?

Por aqui, muitas vezes a falta de doadores acontece por desinformação: muitos brasileiros desconhecem os pré-requisitos para poder doar sangue, ou têm medo do processo. E a verdade é que o processo é bem tranquilo e quase todo mundo pode ser doador.

Segundo o Ministério da Saúde, podem doar sangue pessoas entre 16 e 69 aos, com no mínimo 50kg, desde que a primeira doação tenha sido feita até os 60 anos.

Quem não pode doar sangue?

A Fundação Pró Sangue, do maior hemocentro de São Paulo, traz os seguintes impedimentos de doação:

  • Pessoas que tiveram hepatite após os 11 anos de idade e pessoas que tiveram hepatite B ou C;
  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Pessoas que tem ou já tiveram malária;
  • Pessoas com Doença de Parkinson;

Requisitos temporários para não doação de sangue

  • Pessoas com tatuagens recentes (menos de 12 meses);
  • Resfriado: aguardar 7 dias após desaparecimento dos sintomas;
  • Pessoas grávidas, tendo que esperar 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana;
  • Pessoas em processo de Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses);
  • Qualquer procedimento endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia, rinoscopia, etc.): aguardar 6 meses.
  • Extração dentária (verificar uso de medicação) ou tratamento de canal (verificar medicação): por 7 dias.
  • Cirurgia odontológica com anestesia geral: por 4 semanas.
  • Acupuntura: se realizada com material descartável: 24 horas; se realizada com laser ou sementes: apto; se realizada com material sem condições de avaliação: aguardar 12 meses.
  • Vacina contra gripe: por 48 horas.
  • Vacina contra Coronarivus:
    • 48 horas após cada dose (Coronavac e Covaxin);
    • 7 dias após cada dose (AstraZeneca, Pfizer, Janssen-Cilag e Moderna).
  • Viagem ao exterior para qualquer país impede a doação por 30 dias, após o retorno.
  • Viagem no Brasil: estados como Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são locais onde há alta prevalência de malária. Quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses para doar, após o retorno.
  • Europa: quem morou na Europa após 1980, verificar aptidão pelo Alô Pró-Sangue
  • Doenças:
    • Herpes labial ou genital: apto após desaparecimento total das lesões.
    • Herpes Zoster: apto após 6 meses da cura (vírus Varicella Zoster).
    • Malária: quem esteve em países com alta prevalência de malária deve aguardar 12 meses após o retorno para doar. (critério semelhante ao dos estados brasileiros com prevalência elevada de malária).
    • Febre Amarela: quem esteve em região onde há surto da doença deve aguardar 30 dias para doar, após o retorno; se tomou a vacina, deve aguardar 04 semanas; se contraiu a doença, deve aguardar 6 meses após recuperação completa (clínica e laboratorial).
  • Coronavírus:
    • Candidatos que apresentaram diagnóstico ou suspeita de coronavírus estão aptos a doar 10 dias após a completa recuperação.
    • Candidatos assintomáticos com teste positivo estão aptos a doar após 10 dias da data de realização do teste.
    • Candidatos que tiveram contato com casos positivos de contaminação por coronavírus estão aptos a doar após 7 dias do último contato.
    • Candidatos que fizeram isolamento voluntário ou por orientação médica estão aptos a doar após o término do tempo de indicação de isolamento.
    • Profissionais de saúde estão aptos a doar, desde que estejam fazendo uso correto de EPI.

O que precisa fazer para doar sangue?

Os pré-requisitos listados pelo Ministério da Saúde são:

  • Apresentar documento de identificação com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Carteira Nacional de Habilitação, Carteira de Trabalho, Passaporte, Registro Nacional de Estrangeiro, Certificado de Reservista e Carteira Profissional emitida por classe), serão aceitos documentos digitais com foto;
  • Pesar no mínimo 50 kg;
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas;
  • Estar alimentado. Evitar alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação de sangue;
    Caso seja após o almoço, aguardar 2 horas;
  • Não ingerir bebida alcoólica pelo menos 12 horas antes da doação;

Quantas vezes posso doar sangue?

Para homens, é possível doar sangue de 2 em 2 meses, não ultrapassando o máximo de 4 doações ao ano. Para mulheres, o intervalo é de 3 em 3 meses, sendo no máximo 3 doações anuais.

Acompanhe tudo sobre:DoaçõesSaúde e boa formaSaúde no Brasil

Mais de Brasil

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

'Fiquei surpreso de ver isso pela imprensa', diz Ricardo Nunes sobre queixas de Milton Leite

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

Mais na Exame