A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Deputado aliado do governo tenta votar estado de exceção no Congresso

Projeto de Lei 1074 dá poderes ao governo federal para solicitar bens e serviços da iniciativa privada para combater a pandemia

O deputado Major Vitor Hugo (GO/PSL), líder do PSL na Câmara dos Deputados, pediu nesta terça, dia 30, que a aprovação de um pedido de urgência para a votação do projeto de lei 1074/2021, que estabelece o Estado de Mobilização Nacional. Trata-se de um estado de exceção, em que o governo federal tem a prerrogativa de solicitar bens e serviços de entes privados e públicos para o combate à pandemia.

A proposta não teve quorum na Casa, mas nem por isso deixou de provocar inquietação entre os parlamentares. "É um projeto muito ruim, que preocupa só de levantar a questão, e somos contra. Não teve apoio. O deputado Vitor Hugo consultou individualmente os líderes e não conseguiu avançar", disse o deputado Vinicius Poit (SP), líder do Novo na Câmara.

O deputado Kim Kataguiri (SP/DEM) também expressou preocupação a respeito do projeto de lei. "A aprovação do projeto da mobilização nacional permitiria que Bolsonaro assumisse imediatamente o comando de todos os servidores civis e militares, e até convocar quem não é servidor", afirmou no Twitter. 

O projeto altera a lei 11.631, de 27 de dezembro de 2007, a fim de permitir a decretação da Mobilização Nacional em casos de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente de pandemia e de catástrofe natural de grandes proporções.

A lei, criada durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, define uma série de medidas que podem ser tomadas pelo Estado em caso de guerra. A alteração feita pelo deputado Vitor Hugo propõe que a legislação passe a valer também em situação de emergência na saúde pública.

"De acordo com o projeto de lei, o governo federal pode convocar servidores e civis para atuar no combate à pandemia da mesma como aconteceria se o país estivesse em guerra", diz Kataguiri. "Produtos, como seringas e agulhas, também poderiam ser requisitados aos estados".

Em sua fala nesta terça na Câmara dos Deputados, o deputado Vitor Hugo ressaltou que a nova versão da lei facilitaria o combate à pandemia, em ritmo constante de agravamento. Na visão de outros parlamentares, no entanto, trata-se de um convite ao autoritarismo em um momento delicado da história do país.

O movimento acontece um dia depois da formalização do pedido de demissão de seis ministros. Nesta terça, os comandantes das Forças Armadas também renunciaram.

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também