Depois de Criciúma, quadrilha toma ruas e assalta banco em Cametá, no Pará

Quadrilha teria tentando assaltar uma agência bancária em Cametá, sequestrado moradores durante a ação e depois fugido de barco pelo rio Tocantins

Mais uma noite violenta, depois do terror provocado por assaltantes em Criciúma, no sul de Santa Catarina, na terça-feira. Desta vez uma quadrilha iniciou um ataque na cidade de Cametá, no interior do Pará, a 235km da capital, Belém. A ação envolveu mais de 20 criminosos fortemente armados com fuzis e teve, mais uma vez, uma agência do Banco do Brasil como alvo. Reféns foram capturados em um bar e usados como escudo. Um deles acabou morto por arma de fogo e outro morador da cidade foi atingido na perna, mas não corre risco de vida.

Assim como em Criciúma, um quartel da Polícia Militar também teria sido atacado, impedindo a saída dos agentes de segurança. Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup), a normalidade foi restabelecida no município ainda na madrugada desta quarta, após a chegada de agentes de segurança de outras cidades e regiões. Duas aeronaves e uma embarcação foram utilizadas para conter a ação criminosa.

Pelo menos duas agências bancárias acabaram atacadas, segundo relatos de moradores. Uma, do Banco do Brasil, fica no prédio da Câmara dos Vereadores e ficou destruída. A outra é do Banpará, o banco estadual. Com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE, Cametá é uma das dez maiores cidades do Pará.

Durante as buscas, uma caminhonete que teria sido utilizada pelos criminosos foi encontrada pelas equipes policiais, em uma estrada que faz conexão com o município vizinho de Tucuruí. Ninguém foi preso até o momento e a cúpula de segurança pública segue na cidade comandando as buscas e acompanhando a evolução do caso.

Toda a atividade do grupo durou mais de uma hora, e a quadrilha fugiu da cidade em vários carros, por volta de 1h30 da madrugada desta quarta-feira, seguindo depois em barcos, em uma rota pelo rio Tocantins. Pelo Twitter, o governador do Pará, Helder Barbalho, postou que já estava em contato com a cúpula da segurança pública do estado. "Não mediremos esforços para que o quanto antes seja retomada a tranquilidade e os criminosos sejam presos. Minha total solidariedade ao povo cametaense", escreveu o governador.

Na manhã desta quarta, o governador também informou pela rede social que vai para Cametá acompanhar as buscas e monitorar as investigações. Segundo ele, " a audácia do grupo criminoso não ficará impune".

Também pelo Twitter, a Secretaria de Segurança Pública informou que "desde o momento que foi confirmado sobre o assalto a uma agência bancária em Cametá, equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), do Batalhão de Ações de Cães (Bac), da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE) e duas aeronaves do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Pará (Graesp) se deslocaram para dar apoio no município".

Nas redes sociais, moradores registraram em vídeos o ataque a Cametá e fizeram relatos durante os momentos de medo e tensão:

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.