Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Delegações estrangeiras conhecem Plano Brasil sem Miséria

Cerca de 22 milhões de brasileiros deixaram a extrema pobreza desde junho de 2011, quando a estratégia foi lançada

Modo escuro


	Família que usa o Bolsa Família: o Plano Brasil sem Miséria tem como eixo de transferência de renda o Programa Bolsa Família, que este ano completou dez anos de funcionamento.
 (ROBERTO SETTON /EXAME)

Família que usa o Bolsa Família: o Plano Brasil sem Miséria tem como eixo de transferência de renda o Programa Bolsa Família, que este ano completou dez anos de funcionamento. (ROBERTO SETTON /EXAME)

D
Da Redação

Publicado em 25 de junho de 2013, 16h24.

Brasília – Delegações estrangeiras que participam do 3º Seminário Internacional Políticas Sociais para o Desenvolvimento, que ocorre em Brasília, conheceram hoje (24) o modelo de funcionamento do Plano Brasil sem Miséria. De acordo com o secretário executivo interino do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Marcelo Cardona, 22 milhões de brasileiros deixaram a extrema pobreza desde junho de 2011, quando a estratégia foi lançada.

“Ainda há muitas famílias extremamente pobres, mas queremos buscá-las para mudar essa situação. Temos um longo caminho a percorrer”, disse o dirigente. O seminário conta com a participação de representantes das Bahamas, do Belize, da Bolívia, de El Salvador, da Índia, da Tanzânia, da Jordânia, do México, do Peru, da Argélia e do Vietnã. Até quinta-feira (27) serão discutidos temas como cadastro único para ingresso a programas sociais do governo e sistemas de monitoramento e avaliação de políticas públicas.

De acordo com Marcelo Cardona, o Plano Brasil sem Miséria tem como eixo de transferência de renda o Programa Bolsa Família, que este ano completou dez anos de funcionamento. O secretário interino disse que, nesse período, o programa contemplou 13,8 milhões de famílias. Só no primeiro semestre deste ano, foram cadastradas mais 800 mil. “A meta é que todas as famílias pobres estejam inseridas no programa, até o fim do atual governo”.

Outro tema do seminário foi a 3ª Conferência Global sobre Trabalho Infantil, marcada para os dias 8, 9 e 10 de outubro, em Brasília. De acordo com a secretária executiva da conferência, Paula Montagner, o objetivo do evento não é criar planos e metas de políticas para o setor, e sim avaliar as estratégias traçadas para acelerar o passo das ações nacionais e mundiais da erradicação do trabalho infantil.

“Devemos avaliar o progresso das ações, identificar os desafios e buscar soluções com todos os países envolvidos nessa batalha". Segundo Paula, a meta é que em 2020 a erradicação do trabalho infantil seja total. “Se postergarmos a entrada dos nossos jovens no mercado de trabalho, estamos contribuindo para um futuro melhor”, explicou.

Últimas Notícias

ver mais
Lula edita decreto que garante extra no Auxílio Gás até dezembro de 2023; veja como receber
Brasil

Lula edita decreto que garante extra no Auxílio Gás até dezembro de 2023; veja como receber

Há 4 horas
PSDB e MDB desistem de formar federação para as eleições presidenciais de 2026
Brasil

PSDB e MDB desistem de formar federação para as eleições presidenciais de 2026

Há 5 horas
Quem indicou cada ministro ao STF? Indicações foram feitas por Lula, Bolsonaro e até Dilma; veja
Brasil

Quem indicou cada ministro ao STF? Indicações foram feitas por Lula, Bolsonaro e até Dilma; veja

Há 5 horas
Entenda os próximos passos da ação que condenou Rogério Marinho, ex-ministro de Bolsonaro
Brasil

Entenda os próximos passos da ação que condenou Rogério Marinho, ex-ministro de Bolsonaro

Há 5 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais