Delator diz que Alckmin não era o "Santo" em planilha

Celso Rodrigues depôs em dezembro de 2016 para falar sobre crimes supostamente praticados pela Odebrecht em contratos do Metrô

São Paulo - O delator Celso da Fonseca Rodrigues, ex-diretor de contratos da Odebrecht em São Paulo, disse ao Ministério Público Federal (MPF) que o codinome "Santo" que aparece vinculado ao pagamento de propina nas obras da rodovia Mogi-Dutra em anotação apreendida pela Lava Jato não é o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB).

O relato desmonta versões divulgadas inicialmente de que a alcunha "Santo" seria referência ao governador.

Rodrigues depôs em dezembro de 2016 para falar sobre crimes supostamente praticados pela empreiteira em contratos do Metrô.

Segundo ele, esse codinome se refere ao superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) à época, Pedro Blassioli, já falecido.

Alckmin não se manifestou sobre as declarações do delator que o descolam da alcunha "Santo". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.