Dados mostram que maioria das crianças internadas com covid-19 se recupera

Governo detalhou taxa de mortalidade dentro de grupos de pessoas que estão internadas; mais de 65 mil precisaram de atenção hospitalar por covid-19 no país

O Ministério da Saúde divulgou nesta sexta-feira, 29, o perfil detalhado dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocados pelo novo coronavírus em crianças, adolescentes e gestantes. A maior parte evoluiu para a cura.

Os dados são referentes ao período de 16 de fevereiro a 23 de maio, época em que houve o total de 52,3 mil internações por SRAG causada pela covid-19 no País.

Das 916 crianças e adolescentes com que estavam internadas com a síndrome, 10,8% morreram. Crianças de zero até 12 anos incompletos representam 72,3% (662) dos casos diagnosticados que estavam em unidades de saúde e, destas, 62 morreram. Já adolescentes de 12 anos até 18 anos somam 27,7% (254) dos registros e contam 37 óbitos.

Nesta-sexta, o Brasil superou mil mortes pelo 4º dia seguido, com o total indo a 27.878.

Todos os Estados tiveram caso de SRAG entre pessoas de zero a 18 anos, mas os registros mais altos foram em São Paulo com 40,7% (373), Rio de Janeiro com 11,5% (105) e Pernambuco com 10,8% (99). Juntos, esses Estados representam 63% dos casos de todo País.

No que diz respeito a condições pré-existentes nas crianças e adolescentes que tiveram a síndrome respiratória pela covid, 400 (43,7%) casos apresentaram alguma comorbidade. As mais frequentes nas crianças foram as neurológicas (17,8%), e asma (21,5%) nos adolescentes.

Raça e sexo

A incidência da doença foi mais frequente entre crianças e adolescentes que se declaram pardos. Foram 245 (52,1%) entre as crianças e 98 (55%) nos adolescentes.

No grupo das crianças, a maior frequência de casos de SRAG ocorreu entre os meninos, com 55,9% (370) casos. Já no grupo dos adolescentes, o sexo feminino foi o mais frequente, com 55,9% (142) casos.

Gestantes

O Ministério da Saúde também divulgou dados referentes às gestantes que tiveram a SRAG. Do total de 484 grávidas com a síndrome causada pela covid-19, 7,4% (36) morreram.

As mortes se concentraram nas gestantes que tinham entre 30 e 39 anos de idade; foram 18 óbitos. E a menor incidência foi nas adolescentes de 12 a 19 anos, com uma morte.

A maior parte das mortes aconteceu no terceiro trimestre da gestação, com 22 casos.

O secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, também apresentou os dados de hospitalização por síndrome respiratória aguda grave no Brasil. Dados atualizados às 10h desta sexta-feira mostram que, neste ano, houve 192,8 mil internações, das quais 65,7 mil foram por covid-19.

Do total de hospitalizações, 41,6 mil evoluíram para óbito, dos quais 22,5 mil foram por causa do novo coronavírus. Nos últimos três dias, 202 pessoas morreram devido à covid-19, e o dia com maior número de registros de mortes pela doença foi 5 de maio, com 608 óbitos em um único dia.

Veja outras notícias sobre o coronavírus

Novavax arrisca e faz vacina contra covid-19 em larga escala

Sinais de eficácia de vacina contra coronavírus podem vir no 2º semestre

Nova vacina da China aumenta proteção contra coronavírus

Não contaria com vacina contra covid-19 tão cedo, diz pesquisador de HIV

Rússia quer iniciar testes de vacina para covid-19 em breve

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.