Brasil
Acompanhe:

Cúpula do Exército se reúne pela primeira vez após troca de comando

Paiva assumiu o comando do Exército no sábado, no lugar do general Júlio César de Arruda, após os atos golpistas de 8 de janeiro

 (Youtube/Reprodução)

(Youtube/Reprodução)

D
Da Redação

24 de janeiro de 2023, 06h00

O general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, novo comandante do Exército, marcou para esta terça-feira, 24, a primeira reunião do Alto Comando da corporação desde que assumiu o posto, no sábado, 21. No encontro, Paiva informará aos generais de quatro estrelas as diretrizes da nova gestão.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Paiva assumiu o comando do Exército após a demissão do general Júlio César de Arruda, que estava no cargo desde 30 de dezembro. Antes de ser exonerado, o que ocorreu após os atos golpistas de 8 de janeiro, Arruda participou de uma reunião com Lula, o ministro da Defesa, José Mucio Monteiro, e os comandantes da Marinha e da Aeronáutica.

Após os atos, Lula manifestou desconfiança em militares responsáveis pela segurança do Palácio do Planalto. Arruda teria sido substituído porque não teve o posicionamento esperada pelo presidente diante de uma tentativa de golpe. Já Paiva, um dia antes de assumir o comando do Exército, defendeu abertamente a democracia e afirmou que o resultado das urnas deve ser respeitado.

“Vamos continuar garantindo a nossa democracia, porque a democracia pressupõe liberdade e garantias individuais e públicas. E é o regime do povo, de alternância de poder. É o voto. E, quando a gente vota, tem de respeitar o resultado da urna”, disse o novo comandante do Exército, na sexta-feira, 20.

Nesta segunda-feira, 23, em viagem a Buenos Aires, Lula afirmou que Paiva concorda com ele em relação ao papel das Forças Armadas. "Tive uma boa conversa com o novo comandante, e ele pensa exatamente com tudo que tenho falado sobre a questão das Forças Armadas. As Forças Armadas não existem para servir um político", disse o presidente.