Crivella diz que praias do Rio só serão liberadas após vacina

Afirmação do prefeito ocorre apesar de muitos cariocas e turistas desrespeitarem diariamente a proibição

O banho de sol nas areias das praias do Rio de Janeiro só deve ser liberado quando houver uma vacina disponível para a Covid-19, afirmou nesta quinta-feira o prefeito Marcelo Crivella, apesar de muitos cariocas e turistas desrespeitarem diariamente a proibição.

O conselho científico criado pela prefeitura para o enfrentamento à Covid-19 discutiu nesta semana a possibilidade de liberar o lazer nas praias, mas, segundo o prefeito, a decisão foi de manter a proibição até a chegada de uma vacina contra a doença respiratória provocada pelo novo coronavírus.

“Onde não se pode usar máscara a tendência é só retornar quando tiver vacina, que está sendo testada, ou quando a contaminação estiver próxima a zero. Na praia não se usa máscara, e o nível de infecção aumenta”, disse Crivella a jornalistas.

“Imagina milhares de pessoas na praia sem máscara do Leme ao Pontal, poderia colocar em risco tudo feito até agora“, acrescentou.

Atualmente a faixa de areia está liberada para atividades físicas individuais, e os esportes aquáticos também estão autorizados no litoral carioca.

Mesmo assim, o que se vê diariamente na orla do Rio é um constante desrespeito às regras e pouca fiscalização por parte das autoridades.

Na semana passada, a cidade autorizou a reabertura de bares e restaurantes em uma nova etapa da flexibilização das medidas contra o coronavírus, e o que se viu foram aglomerações nesses lugares, apesar das regras determinando limitação de capacidade e medidas de higiene.

Crivella também anunciou nesta quinta-feira que recuou da ideia de autorizar a presença de público em estádios de futebol a partir do fim de semana. A liberação havia recebido muitas críticas, à medida que mesmo em países europeus que já passaram pelo pior da epidemia os jogo de futebol continuam a ser realizados sem a presença de torcedores.

O Rio de Janeiro é o terceiro Estado do país com mais casos de Covid-19, com 126.329 infecções confirmadas, e o segundo com mais óbitos, com quase 11 mil mortos, atrás apenas de São Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.