A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Crise hídrica impulsiona importação de gás natural dos EUA

Brasil agora lidera todas as importações em julho, com 12 embarques de petroleiros até o dia 26; inverno seco na Argentina também leva à aquisição de GNL

A pior crise hídrica do Brasil em quase um século e menor geração de energia hidrelétrica na Argentina transformaram a América do Sul em um mercado-chave para o gás natural liquefeito dos Estados Unidos em julho.

Pelo menos quatro cargas de GNL dos EUA estão a caminho da Argentina, segundo dados de exportações analisados pela Bloomberg News. O Gaslog Chelsea, com uma carga do terminal Cove Point, desviou da rota rumo a Roterdã em 21 de julho e agora segue para Bahía Blanca.

A Argentina já havia aumentado as importações em abril para evitar um déficit, pois os preços baixos e a pandemia paralisaram novas perfurações no país. A Argentina recebeu principalmente cargas parciais menores dos EUA em 2020-2021.

A seca no Brasil elevou o volume de GNL importado dos EUA para nível recorde em junho, quando recebeu 14 cargas. O Brasil agora lidera todas as importações entre países em julho, com 12 embarques baseados em chegadas de petroleiros até 26 de julho.

Inverno seco na Argentina e no Brasil

O GNL americano continua a fluir para a Ásia, com 12 cargas a caminho da Coreia do Sul, seguida pela China e Japão, cada um à espera de seis carregamentos.

No total, exportadores carregaram 77 navios-tanque no mês até o momento, um aumento de 6,9% das cargas por dia em relação a junho, quando 80 carregamentos foram exportados. O Sabine Pass superou todos os terminais de exportação com 25 petroleiros carregados, enquanto o Freeport enviou 16 cargas, e o Corpus Christi, 15, com o segundo e terceiro lugares.

Exportações

Na semana até 26 de julho, 20 navios-tanque chegaram a 12 países. Brasil e Coreia do Sul lideraram o ranking mundial, ambos recebendo 4 cargas. Chile e Índia ficaram com dois carregamentos cada.

No acumulado do mês, o Brasil liderou com 12 embarques recebidos, seguido pela Coreia do Sul com 11 carregamentos, e pela China com 8. A Coreia do Sul importou um total de 71 cargas neste ano, com China e Japão na sequência com 68.

Em trânsito

Existem atualmente 78 carregamentos dos EUA em trânsito. O Brasil deve receber quatro remessas, empatado com a Argentina, atrás do trio China, Japão e Coreia do Sul. Sete petroleiros estão a caminho do Canal do Panamá, com dois deles ancorados desde 24 de julho.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também