A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Conta da pandemia começa a chegar para Bolsonaro? Ouça no EXAME Política

Forçada pelas comparações inevitáveis da vacinação no Brasil em relação a outros países, a classe média que ajudou a eleger Bolsonaro deve começar a consolidar o seu desembarque do governo

Após ver sua aprovação cair para 26% na última pesquisa EXAME/IDEIA, nesta semana o presidente Jair Bolsonaro bateu um novo recorde de avaliação negativa. Pesquisa Datafolha divulgada na última quarta-feira (17%) mostrou que 54% dos entrevistados disseram reprovar a desempenho do presidente no combate à pandemia. Mesmo assim, os brasileiros se dividem em relação ao impeachment: metade (50%) é contra, enquanto 46% diz ser a favor.

Para a cientista política Carolina Botelho, pesquisadora do Laboratório de Neurociência Cognitiva e Social Mackenzie e do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, apesar da percepção de que não é o momento para um impeachment, os números mostram que muitos brasileiros já começam a relacionar o trágico desenrolar da crise sanitária ao governo federal - e que isso deve se refletir também na base de apoio do presidente no Congresso.

"As pessoas estão começando a entender que o problema está vindo do governo federal, que as omissões e ações equivocadas estão sendo a causa da crise sanitária", explicou Botelho no último episódio do podcast EXAME Política. "Sabemos o comportamento do Congresso quando a popularidade de um presidente começa a definhar: eles abrem mão de apoiá-lo sem pestanejar."

Botelho pontua que, com o aumento expressivo no número de mortes e o colapso do sistema de saúde em todo o país, além da morte de três senadores pela covid-19, o comportamento do presidente tende a deixá-lo isolado do restante do universo político. "Mesmo com o avanço da vacinação, vai ser muito difícil que essa situação se reconfigure de modo a beneficiar o presidente", explicou a cientista política.

Também no EXAME Política, Maurício Moura, fundador do IDEIA (instituto de pesquisa especializado em opinião pública) e professor da Universidade George Washington, destaca que, forçada pelas comparações inevitáveis da vacinação no Brasil em relação a outros países, a classe média que ajudou a eleger Bolsonaro deve começar a consolidar o seu desembarque do governo.

"Esses grupos, acostumados a contratar saúde, educação e até segurança privada, agora se vê nas mãos do governo para receber a vacina. A medida que as comparações com outros países aumentarem, aumenta também a pressão sobre o governo", explicou Moura no podcast EXAME Política, que é mediado pela editora de macroeconomia da EXAME, Fabiane Stefano.

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também