Brasil

Congresso derruba veto de Lula contra marco temporal para demarcar terras indígenas

Critério para demarcação de terras indígenas limitado a 1988 é defendido pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a mais numerosa do Congresso, com mais de 300 parlamentares

Indígenas em Brasília: em setembro, o STF declarou inconstitucional a tese do marco temporal (Carl de Souza/Getty Images)

Indígenas em Brasília: em setembro, o STF declarou inconstitucional a tese do marco temporal (Carl de Souza/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 14 de dezembro de 2023 às 17h06.

O Congresso Nacional derrubou o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao marco temporal para demarcação de terras indígenas. Câmara e Senado haviam aprovado projeto que definindo que só poderiam ser demarcas terras ocupadas por indígenas até a promulgação da Constituição em outubro de 1988. Lula vetou o texto.

Em setembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional a tese do marco temporal. O critério para demarcação de terras indígenas limitado a 1988 é defendido pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a mais numerosa do Congresso, com mais de 300 parlamentares.

Dias depois da decisão do STF, o Senado aprovou o projeto para estabelecer o marco temporal. O texto já havia passado pela Câmara e foi para a sanção de Lula, que vetou o principal trecho do texto. Lula, seguindo orientação da Advocacia-Geral da União (AGU), também rejeitou a possibilidade de indenização aos proprietários de terras que eventualmente sejam declaradas como de direito dos indígenas e a proibição de ampliação das terras já demarcadas.

Congresso analisa vetos de Lula ao arcabouço; acordo é para manter um veto e derrubar outro
O julgamento do marco temporal no STF foi o estopim para uma crise entre os Poderes. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), tido até então como aliado do Supremo, passou a defender publicamente a definição de mandatos com prazo fixo para os integrantes do Tribunal. O Senado chegou a aprovar uma PEC que limita as decisões monocráticas de magistrados da Corte.

O pano de fundo do atrito entre Judiciário e Legislativo ainda teve também o avanço, no STF, de julgamentos para descriminalizar o aborto até 12 semanas de gestação e legalizar o uso recreativo da maconha, com uma diferenciação entre usuário e traficante com base na quantidade da droga. Essas pautas foram aceleradas pela ex-ministra Rosa Weber, que se aposentou em setembro.

Os vetos de Lula, em geral, provocaram desconforto no Congresso. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), reclamou diretamente com Lula do descumprimento de acordos feitos entre Legislativo e Executivo durante a tramitação dos projetos.

O que é marco temporal?

O marco temporal é uma tese jurídica segundo a qual os povos indígenas só têm direito às terras que já ocuávam ou disputavam em 5 de outubro de 1988, data da publicação da Constituição.

(Com Agência Câmara)

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:IndígenasGoverno LulaCongresso

Mais de Brasil

Roberto Jefferson paga R$ 40 mil à PF por conserto de viatura que atingiu com 42 tiros

Brasil inclui luta contra racismo pela 1ª vez na agenda do G20

AliExpress e Shopee antecipam data de taxação de compras de até US$ 50; veja quando passa a valer

PM impõe 100 anos de sigilo a processos disciplinares de Mello, candidato a vice de Nunes em SP

Mais na Exame