Brasil

Congresso analisa vetos de Lula sobre marco temporal e Carf nesta quinta-feira

O líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), garantiu que todos os vetos que trancam a pauta estarão prontos para serem apreciados na sessão de hoje

 (Saulo Cruz/Agência Câmara)

(Saulo Cruz/Agência Câmara)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 14 de dezembro de 2023 às 06h01.

Uma sessão conjunta do Congresso Nacional vai analisar nesta quinta-feira, 14, quase 50 vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e projetos de lei do legislativo. Entre os itens da pauta está o veto ao PL do marco temporal das terras indígenas, aprovado pelo Congresso em uma resposta a decisão do Supremo Tribunal Eleitoral (STF).

Para derrubar um veto, é preciso obter maioria absoluta de votos, ou seja, pelo menos 257 votos de deputados e 41 de senadores. Caso não alcance essa votação, o veto é mantido.

Duas sessões que analisariam vetos presidenciais foram adiadas por falta de acordo entre o governo e os parlamentares. O líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), garantiu que todos os vetos que trancam a pauta estarão prontos para serem apreciados na sessão de hoje.

“Temos quase 40 vetos, o marco temporal, o marco de garantias, o Carf, o arcabouço fiscal, tem veto até de 2010. A ideia é colocar esses vetos em apreciação agora e os eventuais PLNs [projetos de lei do Congresso Nacional] pendentes de análise na CMO [Comissão Mista de Orçamento]. Para próxima semana, ficariam o veto da desoneração [da folha de pagamentos de 17 áreas da economia], a Lei de Diretrizes Orçamentárias, o Plano Plurianual 2024-2027 e o projeto da lei orçamentária do próximo ano” disse.

Veto ao marco temporal

Sobre o marco temporal, Randolfe disse que um acordo está sendo costurado sobre a matéria.

“Estamos construindo um acordo de procedimento com a Frente Parlamentar da Agricultura. A posição do governo é de sustentar o veto, mas ele é vasto. Tem alguns aspectos que pretendemos que sejam apreciados na cédula, sem embargo do tema central ser apreciado através de votação nominal”, explicou.

Ao justificar o veto, o presidente argumentou que a iniciativa contraria o interesse público e incorre em vício de inconstitucionalidade “por usurpar direitos originários” já previstos na Constituição.Ele ainda reforça que a tese do marco temporal também já foi rejeitada pelo Supremo — decisão que, segundo a Presidência da República, possui repercussão geral.

A ideia de se basear na decisão do Judiciário foi uma tentativa do governo em atender a sua base políticasem se desgastar com o Congresso.Para derrubar a decisão de Lula e ressuscitar o projeto, são necessários 257 votos favoráveis na Câmara e 41 no Senado.

O tema colocou o Senado e o STF em posições distintas. O fato de o Supremo pautar o julgamento em meio as votações no legislativo desagradou os parlamentares. Durante a tramitação do projeto, senadores criticaram a atuação da Corte sobre o tema.

Desoneração da folha

O veto de Lula ao projeto que desonera a folha de pagamento de 17 setores da economia deve ser apreciado apenas na semana que vem. O ministério da Fazenda promete apresentar uma alternativa a medida.

“Estamos aguardando uma resposta do Ministério da Fazenda sobre isso. A proposta atenderá reivindicações dos diversos setores. O ministro Haddad está à disposição para essa construção”, disse Randolfe.

Setores afetados pelo veto pedem para que os parlamentares derrubem a decisão do presidente.

Acompanhe tudo sobre:CongressoIndígenasMinistério da FazendaLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame