Com Rodoanel, CET quer nova restrição a caminhões em São Paulo

Restrições atingiriam vias importantes da capital paulista como as Marginais do Tietê e do Pinheiros
Rodoanel: todo o tráfego de passagem na capital teria de usar o anel em torno da cidade (OAS/Divulgação)
Rodoanel: todo o tráfego de passagem na capital teria de usar o anel em torno da cidade (OAS/Divulgação)
B
Bruno Ribeiro e Adriana Ferraz, do Estadão ConteúdoPublicado em 24/01/2018 às 11:15.

São Paulo - A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) prepara um novo pacote de restrições ao tráfego de caminhões nas Marginais do Tietê e do Pinheiros, importantes vias de São Paulo.

A principal ideia é que, com a inauguração do Trecho Norte do Rodoanel Mario Covas, no segundo semestre, o tráfego pesado nas duas pistas seja autorizado apenas a veículos que têm como origem ou destino da carga a cidade de São Paulo. Assim, todo o tráfego de passagem teria de usar o Rodoanel.

A proposta deverá ser formalizada com a criação de um Plano Diretor de Cargas da cidade, que está sendo elaborado pela CET.

O plano tem como base uma pesquisa de origem e destino de cargas encomendada pela Prefeitura, cujos resultados já estão na internet. Os estudos técnicos devem ficar prontos no segundo semestre.

O governo do Estado vem acompanhando o assunto em duas frentes. Por parte da Secretaria de Governo, há interesse em que as mudanças ocorram e que a nova rodovia - que tem custo estimado em R$ 9 bilhões e é a etapa final do Rodoanel - tenha uso intenso.

Entretanto, há órgãos como a Empresa Paulista de Planejamento (Emplasa), responsável pela articulação de uma série de conselhos para desenvolvimento metropolitano, que também discutem aspectos técnicos da mudança.

Uma das preocupações é o eventual impacto da nova medida em cidades vizinhas, a exemplo do que aconteceu com a entrada em vigor das atuais restrições, ainda na gestão Gilberto Kassab (PSD), quando caminhões foram banidos dos horários de pico e passaram a formar filas em estradas à espera do horário permitido.

Umas das propostas em análise é a criação de um plano metropolitano de restrições, com força de lei estadual, para padronizar regras em toda a Grande São Paulo e evitar pacotes de restrições locais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.