Acompanhe:

Com nova lei, indústria quer descarbonizar geração térmica a carvão

Especialistas do setor defendem que o regramento deve modernizar a infraestrutura e poderá neutralizar suas emissões de carbono com projetos inovadores

Modo escuro

Continua após a publicidade
Minério de carvão (Rupak De Chowdhuri/Reuters)

Minério de carvão (Rupak De Chowdhuri/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 6 de janeiro de 2022 às, 15h30.

Última atualização em 6 de janeiro de 2022 às, 16h01.

Com a lei que estende a contratação da maior termelétrica a carvão do país até 2040, o setor carbonífero espera atrair investimentos inclusive em iniciativas de descarbonização, disse um representante da indústria, em meio a críticas e pressão pelo abandono da fonte poluente.

A promessa é de que, com um novo marco legal, a indústria carbonífera brasileira vai se modernizar e poderá neutralizar suas emissões de carbono com projetos inovadores, afirmou Fernando Zancan, presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM), à Reuters.

"O que estamos fazendo é construir uma indústria de carvão descarbonizada. Para isso, tínhamos de ter um marco regulatório", disse Zancan à Reuters.

Sancionada na quarta-feira, a Lei nº 14.229 determina que o governo compre, até 2040, energia de reserva de Jorge Lacerda, complexo termelétrico com 857 megawatts (MW) de potência que é movido a carvão nacional, extraído em Santa Catarina.

O texto também cria o "Programa de Transição Energética Justa" (TEJ), com o objetivo de promover uma transição sustentável para o polo carbonífero do estado.

Segundo Zancan, a partir da lei, a indústria espera atrair investidores para projetos já em desenvolvimento.

A fonte de recursos para o carvão vem secando com o fortalecimento da agenda de transição energética. No ano passado, o BNDES anunciou que deixaria de investir em térmicas a carvão.

Uma das principais apostas do setor é uma planta piloto de captura, utilização e armazenamento de carbono (CCUS, na sigla em inglês) instalada em Criciúma (SC). Mantido pelo Centro Tecnológico Satc (CTSatc), o projeto estuda a captura de CO2 a partir de um processo de adsorção à zeólita, um mineral sintético produzido com a própria cinza do carvão. Hoje, a tecnologia já é capaz de capturar 50% do carbono emitido. Já foram investidos 11 milhões de reais no projeto por parte de entes públicos e privados.

Para o presidente da ABCM, tecnologias de captura de carbono serão necessárias para perenizar outras fontes além do carvão, como o gás natural. "Vamos ter de ter uma matriz [elétrica] equilibrada, compensando a intermitência [das renováveis]", avalia.

Zancan afirma ainda que a entidade buscará articular com o Congresso legislações semelhantes para outras regiões produtoras de carvão no país, como Rio Grande do Sul e Paraná.

O polo carbonífero de Santa Catarina é o maior do país, e sua situação começou a ser discutida mais intensamente pelo governo nos últimos anos. Quase toda a produção de carvão da região é direcionada à termelétrica Jorge Lacerda, que, antes da lei, só contava com subsídios da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para a compra do carvão até 2027.

O município de Capivari de Baixo, onde está instalado o complexo termelétrico Jorge Lacerda — vendido em agosto pela Engie a uma empresa da Fram Capital —, é o maior emissor de CO2 do Brasil por área, com 85.633 toneladas por km2, segundo um levantamento do Observatório do Clima.

A lei que estende a contratação de Jorge Lacerda recebeu várias críticas de entidades do setor elétrico e grupos ligados ao meio ambiente.

Contrária à medida, a associação dos grandes consumidores de energia (Abrace) calcula que a compra compulsória da energia proveniente do complexo impõe aos consumidores custos anuais de cerca de 2,24 bilhões de reais.

"Prorrogar a queima do carvão não é uma resposta para o que o próprio título do programa propõe, que é uma 'transição energética'. Transição significa sair de algo para começar outro. E do ponto de vista do setor elétrico, o carvão é uma coisa do passado para o Brasil", afirma Roberto Kishinami, coordenador do portfólio de Energia Elétrica do Instituto Clima e Sociedade.

Para Kishinami, o governo poderia ter remanejado o valor bilionário de subsídios que já estavam previstos para o complexo até 2027 para a estruturação de um programa de realocação de trabalhadores e recuperação ambiental da região, dispensando a recontratação da termelétrica.

Últimas Notícias

Ver mais
Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe
Brasil

Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe

Há 13 horas

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista

Há 15 horas

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'
Brasil

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'

Há 15 horas

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais