AO VIVO: CPI retoma depoimento da diretora da Precisa Medicamentos

Emanuela Medrades é a responsável técnica da Precisa Medicamentos, empresa que representa no Brasil a Bharat Biotech, fabricante da vacina indiana Covaxin

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A CPI da Covid retoma nesta momento o depoimento da diretora técnica da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades. Mais cedo, ela utilizou o habeas corpus concedido pelo STF e decidiu ficar em silêncio quando questionada pelos senadores.

A política vai seguir dando o tom na bolsa? Vai. E você pode aproveitar as oportunidades.  Aprenda a investir com a EXAME Academy

Diante da falta de respostas, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a sessão e anunciou que acionaria o Supremo Tribunal Federal (STF) para que a Corte esclareça os limites da prerrogativa de ficar em silêncio em depoimento à CPI.

Em resposta à CPI, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STFLuiz Fux decidiu nesta terça-feira, 13, que cabe à comissão definir as medidas que serão tomadas caso o depoente abuse do direito de ficar em silêncio.

Com a decisão, Omar Aziz decidiu retomar a sessão.

Acompanhe ao vivo:

Expectativa para o depoimento

Na noite de segunda-feira, 12, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, atendeu parcialmente um pedido de Medrades, e garantiu que ela possa ficar em silêncio com relação a fatos que a incriminem durante depoimento na comissão.

Fux também determinou que a responsável técnica da Precisa - empresa que representa no Brasil a Bharat Biotech, fabricante da vacina indiana Covaxin - não seja submetida ao compromisso de dizer a verdade, mas negou o pedido para que ela tivesse o direito de não comparecer à oitiva.

Emanuela Medrades é a responsável técnica da Precisa, empresa que representa a Bharat Biotech, fabricante da vacina indiana Covaxin, no Brasil. Ela foi citada em outros depoimentos, como do consultor do Ministério da Saúde William Santana, que trocou e-mails com Medrades sobre o contrato da Covaxin.

Segundo Santana, a diretora enviou três invoices (notas fiscais) com erros variados ao longo das tratativas pela importação do imunizante. Os documentos apresentavam vários problemas, inclusive relacionados a quantitativo de doses, adiantamento de pagamento e inclusão de uma empresa que não estava disposta no contrato, a Madison Biotech.

No pedido ao STF, os advogado de Medrades pedem que, se ela for à sessão, possa permanecer em silêncio, e não precise fazer o compromisso de dizer a verdade. Além disso, pedem que ela possa deixar a sessão, "se conveniente ao exercício de seu direito de defesa".

A defesa alega que ela foi convocada na "inequívoca condição de investigada" e, por isso, não deve ser obrigada a se incriminar. Além de ser alvo da CPI, Medrades é investigada pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal sobre as possíveis irregularidades no contrato da Covaxin. A CPI já autorizou a quebra de sigilo telefônico e telemático da diretora.

“Revela-se imprescindível a impetração da presente ordem de habeas corpus com o intuito de garantir à ora paciente o direito de não ser constrangida a comparecer à sessão para a qual está marcada a sua oitiva perante a Comissão Parlamentar de Inquérito, sem sofrer qualquer sanção pelo não comparecimento", diz o pedido de habeas corpus.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Toda semana tem um novo episódio do podcast EXAME Política. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também