Brasil

Com Bolsonaro inelegível, quem é o nome mais forte da direita para 2026?

Indicação própria e aceno a eleitores moderados podem pesar na escolha de um candidato conservador no próximo pleito nacional

BOLSONARO E TARCÍSIO: Minas e Energia, Meio Ambiente e Comunicações estão entre as pastas ainda sem nomeados  / REUTERS/Adriano Machado (Adriano Machado/Reuters)

BOLSONARO E TARCÍSIO: Minas e Energia, Meio Ambiente e Comunicações estão entre as pastas ainda sem nomeados / REUTERS/Adriano Machado (Adriano Machado/Reuters)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 30 de junho de 2023 às 14h27.

A derrota de Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que formou maioria pela inelegibilidade do ex-presidente em julgamento nesta sexta-feira, abre espaço para a concorrência pelo voto bolsonarista de olho nas eleições de 2026.

Por motivos distintos, três nomes vem sendo comumente citados por correligionários de Bolsonaro como possíveis sucessores no campo da direita: a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL); o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos); e o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo). Correm por fora ainda a ex-ministra da Agricultura, hoje senadora, Tereza Cristina (PP-MS); e o governador do Paraná, Ratinho Júnior.

Apesar da expectativa de que o ex-presidente busque conduzir seu espólio eleitoral para um único nome de sua preferência, o próprio Bolsonaro tem evitado sinalizações específicas. Na quinta-feira, por exemplo, questionado por jornalistas no Rio sobre a capacidade de Tarcísio e de Michelle despontarem como seus sucessores, Bolsonaro afirmou que há "vários bons nomes por aí".

" Bolsonaro foi quem conseguiu cristalizar em votos uma força social de interesses difusos, que inclui, por exemplo, evangélicos e militares. Há a possibilidade tanto de uma fragmentação deste campo quanto de surgir candidato escolhido por Bolsonaro como herdeiro, embora isso, por si só, não signifique que este nome será bem-sucedido em herdá-lo -- analisa o cientista político Emerson Cervi, professor da UFPR.

Tarcísio, sempre que questionado sobre a possibilidade de ser candidato, também tem se esquivado do assunto. Segundo interlocutores, a antecipação deste assunto antes do desfecho do julgamento de Bolsonaro poderia ser lida como oportunismo e traição. Também pesa na balança o fato de ele ainda poder disputar a reeleição ao governo estadual.

O governador de São Paulo tem encontrado desconfiança de bolsonaristas por posicionamentos mais ao centro e pelo pouco espaço dado à ala ideológica na máquina estadual. Tarcísio preteriu o próprio partido nas nomeações ao Palácio dos Bandeirantes e quase não cedeu cargos ao PL. Ao mesmo tempo, abriu um canal de diálogo com o presidente Lula e fez de Gilberto Kassab (PSD), figura rejeitada por apoiadores de Bolsonaro, um dos quadros mais influentes de sua gestão.

O governador mineiro, Romeu Zema, ganhou força como possível herdeiro do campo bolsonarista desde sua aproximação explícita com Bolsonaro e seu entorno, no segundo turno de 2022. De um partido, o Novo, que não faz parte do núcleo bolsonarista, ele aposta mais no antipetismo do que nas pautas ideológicas, e tem feito uma gestão se equilibrando entre moderação e acenos à direita.

Por já ter se reelegido, Zema tem um empecilho a menos do que Tarcísio para se lançar à Presidência em 2026. No entanto, Bolsonaro sinalizou nesta sexta-feira, em viagem a Belo Horizonte, que enxerga o governador mineiro como alternativa para concorrer ao Palácio do Planalto só a partir de 2030.

Receio com a família

Uma eventual candidatura à Presidência da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, que desempenhou papel central na campanha do marido em 2022, agrada o presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto. Michelle é considerada um nome capaz de fidelizar o eleitorado evangélico e ampliar o apelo do bolsonarismo entre as mulheres, que apresentavam maiores índices de rejeição a Bolsonaro na última campanha, segundo pesquisas eleitorais.

Michelle assumiu neste ano a presidência do PL Mulher, braço do partido voltado ao público feminino, e tem percorrido o país com o objetivo de angariar novas filiações, além de testar o discurso político.

O ex-presidente, porém, tem desencorajado publicamente a ideia de uma candidatura presidencial de Michelle, argumentando que falta "experiência" política à ex-primeira-dama. Correligionários de Bolsonaro avaliam que há receio de deixar integrantes da família "na vitrine", sujeitos a escrutínio do público e a ataques de adversários políticos, e que por isso o ex-presidente colocou o pé no freio de candidaturas de parentes ao Executivo.

Por raciocínio semelhante, argumentam esses aliados, Bolsonaro orientou Flávio, seu filho mais velho e senador, a recuar de uma candidatura que vinha sendo articulada à prefeitura do Rio em 2024.

Aceno ao agro

Os obstáculos para os favoritos no campo bolsonarista têm levado aliados do ex-presidente a cogitar alternativas, conciliando a proximidade ao ex-presidente com a capacidade de acenar a grupos tradicionalmente ligados à direita. Uma dessas alternativas, segundo a jornalista Andréia Sadi, apresentadora do Estúdio i na GloboNews, é a ex-ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Eleita ao Senado em 2022 pelo Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina tem sua base eleitoral fortemente ligada ao agronegócio, e é vista como um nome que mantém portas abertas no setor. Além disso, sua candidatura agrada a caciques do Centrão, que veem nela um nome mais moderado e mais confiável em relação a outros cotados.

Outra alternativa que corre por fora é o governador do Paraná, Ratinho Jr., reeleito com ampla vantagem em um dos estados onde Bolsonaro teve maior votação proporcionalmente no ano passado. No segundo turno, apesar da derrota para Lula (PT) e de perdido a Presidência, Bolsonaro teve 62,4% dos votos válidos no Paraná. Em apenas outras cinco unidades da federação o ex-presidente conseguiu mais de 60% dos votos; todos eles, porém, com menor peso eleitoral do que o Paraná, que é o quinto estado mais populoso do Brasil de acordo com o Censo 2022.

Ratinho, assim como Tereza Cristina, também é tido como nome mais palatável para alianças com partidos de centro. Pesa contra ambos, por outro lado, um possível desconhecimento dos eleitores de outros estados.

Veja os prós e contras dos possíveis herdeiros políticos de Bolsonaro:

Tarcísio de Freitas (Governador de São Paulo e ex-ministro da Infraestrutura)

Prós:

Está à frente do estado com o maior orçamento do Brasil

Foi bem avaliado em seus cem primeiros dias de governo, aprovado por 44% dos paulistas

Em função do perfil liberal, tem o apoio do empresariado

Pode usar obras tocadas no seu período como ministro da Infraestrutura para atrair eleitores de outras regiões

Contras:

Distanciou-se da base bolsonarista após assumir o governo

Não adere integralmente às pautas ideológicas

É criticado por ter participado de encontros com Lula e políticos da esquerda

Bolsonaro já disse a aliados que não o vê pronto para disputar uma eleição contra Lula

Romeu Zema (Governador de Minas Gerais)

Prós:

Conseguiu se reeleger no primeiro turno em MG contra um adversário apoiado por Lula

Conquistou apoio de partidos do Centrão como o PP e o MDB em 2022

Histórico como administrador de rede varejista pode atrair confiança do empresariado

Tem como reduto político o segundo maior colégio eleitoral e de onde saíram oito presidentes da República

Contras:

Só apoiou Bolsonaro no segundo turno

Já criticou o governo Bolsonaro

É de um partido pequeno e que não faz parte do núcleo bolsonarista

É desconhecido fora de Minas Gerais

Michelle Bolsonaro (Ex-primeira-dama e presidente do PL Mulher)

Prós:

É casada com Bolsonaro e tem a simpatia do bolsonarismo

Adere integralmente às pautas ideológicas do bolsonarismo

Tem a confiança do presidente do PL Valdemar Costa Neto

Foi considerada 'trunfo eleitoral' na campanha de Bolsonaro à reeleição, ajudando a atrair o eleitorado feminino e evangélico

Contras:

Nunca exerceu mandato

Precisa responder sobre casos negativos, como o das joias sauditas e as suspeitas de rachadinha

O próprio Bolsonaro disse que ela não tem "vivência" para disputar a eleição

Mantém rusgas com os filhos de Bolsonaro

Tereza Cristina (ex-ministra da Agricultura e atual senadora)

Prós

Proximidade com o agro

Agrada caciques do Centrão

Aceno ao eleitorado feminino

Contras

Desconhecimento do eleitorado a nível nacional

Não faz parte do núcleo duro do clã Bolsonaro

Ratinho Jr. (governador do Paraná)

Prós

Reeleito com ampla vantagem em um dos estados mais bolsonaristas na eleição de 2022

Tem apoio da cúpula do PSD, dono de uma das maiores bancadas do Congresso

Aglutinou diferentes forças políticas em seu estado, dos mais radicais aos moderados à direita, e também construiu pontes com a esquerda

Contras

Desconhecimento do eleitorado a nível nacional

PSD, seu partido, tende a priorizar uma eventual candidatura de Tarcísio de Freitas

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroPolíticaTarcísio Gomes de FreitasRomeu ZemaMichelle Bolsonaro

Mais de Brasil

Tramonte lidera as intenções de voto para prefeitura de BH, aponta pesquisa Quaest

Quando volta o calor em São Paulo? Veja o que mostra previsão do tempo

Brasil e Itália defendem acordo entre Mercosul e UE 'o quanto antes'

Mais na Exame