Carvalho diz que não haverá efeito da Copa nas eleições

Para ministro, "vai quebrar a cara" quem achar que derrota da seleção vai beneficiar oposição, ou que vitória do Brasil vai ajudar reeleição de Dilma Rousseff

Brasília - Principal interlocutor do governo federal com movimentos sociais, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou nesta terça-feira que é preciso separar a Copa do Mundo das eleições.

Para o ministro, "vai quebrar a cara" quem achar que uma derrota da seleção brasileira vai beneficiar a oposição, ou que uma vitória do Brasil vai ajudar a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

"É preciso separar bem as coisas. Quem acha que Copa do Mundo, que a vitória da seleção vai ajudar o governo ou que a derrota da Seleção vai ajudar a oposição, sabemos pela história que vai se dar mal, que vai quebrar a cara, não é assim", comentou o ministro a jornalistas, após participar da abertura de seminário no Palácio do Planalto.

"Mas, entre junho (abertura da Copa do Mundo) e outubro (realização das eleições), vai haver um espaço enorme. Até lá são outros problemas, outras questões, outro debate. Sinceramente, eu não acredito que uma coisa vai contaminar a outra do ponto de vista sobretudo das eleições", disse Carvalho.

"O povo brasileiro já tem maturidade e inteligência suficiente para separar o que é o evento esportivo, um campeonato de futebol e o que ele representa, e uma eleição, que é uma questão seriíssima que define o futuro do país."

Apesar do discurso do ministro, o Palácio do Planalto teme reservadamente que eventuais falhas na realização do torneio respinguem na popularidade da presidente.

O próprio ministro Carvalho viajou às 12 cidades-sede para dialogar com movimentos sociais, prestar esclarecimentos e tentar minimizar as críticas ao evento.

Pelas redes sociais, grupos se mobilizam com a bandeira de "Não vai ter Copa".

Conforme informou o jornal O Estado de S.Paulo, black blocs que executaram as ações de grande repercussão durante as manifestações do ano passado continuam fora do radar da polícia, e prometem transformar a Copa do Mundo "num caos".

Diante da queda de respaldo popular à realização da Copa do Mundo no Brasil, o Planalto também reformulou sua estratégia de comunicação na defesa da Copa do Mundo e aposta no argumento de geração de empregos e no legado na área de infraestrutura por causa do megaevento.

"Não vai ficar pronto (as obras)? É verdade, nós cometemos equívocos, atrasamos, agora essas obras todas ficarão prontas, elas não são para turista só, são para brasileiro usar o metro, ônibus, BRT, os hotéis ficarão", discursou o ministro, ao falar na abertura de seminário sobre turismo e hospitalidade, no Palácio do Planalto.

"Quando em cobraram, 'O que vai sobrar da Copa para nós'? Meu amigo, anda o país e vai ver o canteiro de obras nas 12 cidades", afirmou Carvalho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.