A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Carlos Bolsonaro participou de reunião com a Pfizer no Planalto, diz CEO

Em depoimento que contradiz falas de Wajngarten, o ex-presidente da farmacêutica conta que Carlos e Filipe Martins estiveram em encontro sobre vacinas

O ex-presidente da Pfizer no Brasil Carlos Murillo afirmou nesta quinta-feira, 13, que o vereador Carlos Bolsonaro participou de reunião com representantes da farmacêutica e o ex-secretário de Comunicação do governo, Fabio Wajngarten. O encontro, que tratava de vacinas contra a covid-19, aconteceu em 7 de dezembro, no gabinete da Secom, no Palácio do Planalto.

Segundo relatório do encontro, lido por Murillo em depoimento à CPI da Covid, Wajngarten recebeu uma ligação telefônica após aproximadamente uma hora de reunião e saiu para atendê-la. Minutos depois que ele voltou, entraram na sala de reunião Carlos Bolsonaro e Filipe Martins, assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência.

Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, é vereador no estado do Rio de Janeiro e não ocupa nenhum cargo oficial no governo. Martins, próximo à família Bolsonaro, é conhecido por ter sido alvo de inquérito da Polícia Legislativa do Senado após ter feito gesto de conotação racista em uma audiência pública, em abril.

O depoimento do representante da Pfizer vai de encontro com o que afirmou Wajngarten à CPI, na quarta-feira, 12. Na ocasião, o ex-secretário disse não ter proximidade com Carlos Bolsonaro, após ter sido questionado repetidas vezes sobre o assunto pelo relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Renan perguntou com que frequência Wajngarten falava com o vereador. A resposta foi “nenhuma frequência”. O ex-secretário afirmou que “não falava” com Carlos e que “cabe numa mão” o número de vezes que eles interagiram. “Durante a minha gestão, Carlos Bolsonaro deve ter frequentado a Secom duas ou três vezes em dois anos”, disse.

Perguntado se eles tinham contato telefônico, Wajngarten respondeu que “muito menos” conversavam por telefone. “Minha origem é São Paulo, da qual o deputado Eduardo Bolsonaro me conhecia. Eu nunca tive contato com o filho do presidente, do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro”, reforçou. Ele também negou que Carlos tivesse alguma função no Planalto. “Nunca teve”, disse.

A fala de Murillo, no entanto, reforça parte do depoimento feito por Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, à CPI, no qual ele afirma que o presidente Jair Bolsonaro tinha um "assessoramento paralelo" para tratar de questões relacionadas à pandemia. Segundo ele, havia reuniões com pessoas que não faziam parte da equipe da Saúde e defendiam uso de medicamentos sem eficácia comprovada, como cloroquina.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também