Candidatos ao governo de SP declaram R$ 13,6 milhões em bens; confira lista

Ao todo, o somatório dos concorrentes na disputa passa de R$ 13,6 milhões, sendo que 38% desse montante são bens exclusivos do ex-governador Rodrigo Garcia
São Paulo: O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio R$ 595 mil (Ueslei Marcelino/Reuters)
São Paulo: O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio R$ 595 mil (Ueslei Marcelino/Reuters)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 12/08/2022 às 15:36.

Última atualização em 12/08/2022 às 15:58.

Oito candidatos ao governo de São Paulo declararam seus bens ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como parte do processo de registro de candidatura, válido até a próxima segunda-feira, 15. Ao todo, o somatório dos concorrentes na disputa passa de R$ 13,6 milhões, sendo que 38% desse montante são bens exclusivos do ex-governador Rodrigo Garcia (PSDB), que declarou ter R$ 5,1 milhões em patrimônio.

Segundo dados do DivulgaCand, plataforma de divulgação de candidaturas e contas eleitorais do TSE, Garcia declarou à Justiça Eleitoral ter uma casa e um apartamento que somam R$ 2,3 milhões, um veículo no valor de R$ 383 mil, um "título de clube e assemelhado" no valor de R$ 2,5 mil e um total de R$ 2,4 milhões em "quotas ou quinhões de capital e depósito bancário em conta corrente no Brasil".

Ao comparar o patrimônio de hoje com o que Garcia informou em 2018 à Justiça Eleitoral, percebe-se que o tucano obteve um pequeno crescimento de 8% em seus bens, quando o valor é corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - a inflação oficial no Brasil. Em relação nominal, quando não se corrige o valor pela inflação, o patrimônio do atual governador paulista cresceu 36%.

O segundo maior patrimônio é do deputado federal Vinicius Poit (Novo) com R$ 2,9 milhões de bens. Poit declarou possuir um carro de R$ 145 mil, um apartamento de R$ 2,2 milhões e um montante de R$ 619 mil em quotas ou quinhões de capital, investimentos, dinheiro em espécie e outros bens não detalhados. Em comparação com o valor apresentado em 2018 e corrigido pelo IPCA, Poit teve uma queda em 40% do patrimônio. Na época, ele tinha declarado ter R$ 2,8 milhões em bens; com a correção pela inflação, esse valor chega a R$ 4,9 milhões.

O ex-prefeito de Santana de Parnaíba Elvis Cezar (PDT) declarou possuir um patrimônio de R$ 2,1 milhões. Cezar disse à Justiça Eleitoral ter um carro de R$ 200 mil, três bens em imóveis - uma casa de R$ 550 mil e outros dois itens não detalhados no valor de R$ 833 mil -, além de mais R$ 597 mil em quotas ou quinhões de capital, depósito bancário e dinheiro em espécie. Em comparação com o patrimônio informado nas eleições de 2016, pedetista teve queda de 5% em seus bens, corrigindo os valores pelo IPCA.

O ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas (Republicanos), em sua primeira disputa eleitoral, declarou ter R$ 2,3 milhões em bens. Tarcísio informou ter dois veículos - um de R$ 119 mil e outro de R$ 78 mil -, um apartamento de R$ 2,1 milhões e R$ 8 mil em caderneta de poupança e aplicação de renda fixa.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio R$ 595 mil. A lista de bens do petista inclui uma casa de R$ 183 mil, uma apartamento de R$ 90 mil e R$ 322 mil em quotas ou quinhões de capital

Carol Vigliar (UP) declarou patrimônio de R$ 205 mil e Altino Júnior (PSTU) informou possuir uma casa no valor de R$ 192 mil. Gabriel Colombo (PCB) declarou não ter bens.

Vale ressalvar que os dados de patrimônio apresentados à Justiça Eleitoral podem estar com valor defasado, visto que alguns candidatos optam por informar o valor da compra de um bem na época, sem fazer uma correção da inflação e descobrir, em reais, o quanto o patrimônio vale nos dias atuais.

LEIA TAMBÉM: 

Vice de Lula, Alckmin declara patrimônio de R$ 1 milhão

Ciro Gomes declara patrimônio de R$ 3 milhões ao TSE

TSE recebe sete registros de candidatura à presidência da República; veja quem são