Butantan vai pedir registro final ao invés do emergencial da vacina

Com a mudança, a entrega de todos os documentos deve atrasar pelo menos 10 dias. Mesmo assim, governo de São Paulo mantém vacinação em janeiro

O Instituto Butantan mudou a estratégia de pedir o registro emergencial da vacina contra a covid-19, que desenvolve em parecia com o laboratório chinês Sinovac, e vai solicitar o registro final. Com isso, o pedido, que deveria ser entregue na terça-feira, 15, vai ser feito na próxima semana, no dia 23 de dezembro.

“Nós mudamos a nossa estratégia, que até semana passada era solicitar o uso emergencial com os dados de análise parcial. Dada a conjuntura e uma possível dificuldade com relação à própria velocidade da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária], mudamos de estratégia e vamos pedir o uso definitivo. Não vamos pedir o uso emergencial. E vamos fazer essa solicitação na China e no Brasil ao mesmo tempo”, disse o diretor do Butantan, Dimas Covas, em evento online promovido pela Universidade de São Paulo (USP) na manhã desta segunda-feira, 14.

Ainda de acordo com Dimas Covas, a Anvisa solicitou mais alguns documentos ao Butantan, dentro do processo continuado de registro da vacina. Ele disse também que ainda faltam alguns dados de inspeção da fábrica da Sinovac na China. “ Já respondemos aos questionamentos. E isso vai permitir a conclusão dos estudos”, disse ele.

Em entrevista à CNN Brasil, o coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus do governo do Estado de São Paulo, João Gabbardo, afirmou que o adiamento aconteceu porque se chegou ao número de 151 voluntários infectados para se fazer uma leitura definitiva da eficácia e será o dado definitivo, não o preliminar, que será anunciado.

"Com o aumento da transmissão de casos, isso também se refletiu entre os voluntários e nós rapidamente ultrapassamos o número de 151 (voluntários infectados) que era necessário para conclusão desta análise. Nós já estamos hoje com 170 casos. Nós optamos por fazer a entrega de dados já com o número definitivo, não vamos fazer de forma parcial", disse Gabbardo.

No Brasil, 13.000 voluntários participam da última fase de testes para saber se a vacina é eficaz. O imunizante do Butantan com a Sinovac ainda não tem registro na China. No fim de novembro, o teste da CoronaVac no Brasil atingiu o número mínimo de pessoas infectadas para concluir os estudos.

Metade recebeu a vacina e a outra metade um placebo. Ou seja, os pesquisadores passam a analisar se os contaminados estão no grupo vacinado ou no grupo placebo, e verificar se a vacina atingiu o objetivo que é de combater o coronavírus.

SP diz que vacinação começa em 25 de janeiro

Na semana passada, o governo de São Paulo disse que prevê iniciar a vacinação contra a covid-19 no estado no dia 25 de janeiro de 2021. A aplicação será de forma estadual, a começar pelos idosos e profissionais de saúde.

Esta primeira fase vai durar nove semanas, até o dia 28 de março. Serão vacinados 1,5 milhão de profissionais da saúde, e depois 7,5 milhões de pessoas acima de 60 anos. Após os trabalhadores da saúde, o calendário vai começar pelos idosos com 75 anos ou mais. A vacina será em duas doses, com um intervalo de 21 dias entre elas.

(Com Reuters)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.