Busca por remédio abortivo cresceu 91% durante a pandemia

Plataforma de comparação de preços Consulta Remédios teve aumento na procura por princípio ativo de medicamento de uso restrito a hospitais

Um levantamento feito pela plataforma de comparação de preços de itens de farmácia, Consulta Remédios, mostrou que a busca pelo princípio ativo de um medicamento abortivo, cresceu 91% durante a pandemia de covid-19.

O medicamento tem venda restrita no Brasil e só é utilizado em hospitais. Os dados, obtidos com exclusividade pela EXAME, comparam os meses de abril a julho, com o período entre janeiro e março.

No total, foram mais de 500 mil buscas no período em que já eram aplicadas as restrições de circulação. Somente nos primeiros 15 dias de agosto, o número de buscas pelo princípio ativo foi de 73.521.

“Por mais que seja um medicamento de venda restrita, o que preocupa é o fato de as pessoas estarem buscando se informar sobre um produto proibido, provavelmente para saber como age e como é possível adquirí-lo ”, alerta Francielle Mathias, farmacêutica responsável pela plataforma.

Francielle ainda destaca para que o comportamento de apenas buscar sobre o princípio ativo de um remédio controlado como este, deve ser olhado com muita atenção.

"O aumento das pesquisas foi na página de bula do princípio ativo e do medicamento relacionado, pois essas são as únicas informações disponíveis, já que é um medicamento de uso restrito hospitalar. Porém, a busca por informações sobre, indica um comportamento a ser investigado nesse momento de pandemia”, diz a farmacêutica.

Outros números

O levantamento da plataforma mostra ainda que as buscas por pílula do dia seguinte cresceu 104% durante a pandemia. A procura por anticoncepcionais também teve uma alta de 116%, em comparação com o começo do ano, quando o país ainda não registrava casos de covid-19.

A plataforma Consulta Remédios tem 20 milhões de acessos por mês e registra um número aproximado de 108 farmácias cadastradas, entre lojas pequenas e redes espalhadas pelo Brasil.

Aborto no Brasil

O Brasil não tem uma lei que permite o aborto, mas há exceções previstas no Código Penal de 1940. Na verdade, o conjunto de normas criminaliza a prática, com penas previstas de três a dez anos de detenção, mas não pune quem realizar o procedimento em dois casos: gravidez decorrente de estupro e risco à vida da mãe.

Há, ainda, a permissão do aborto para o caso de anencefalia do feto, que foi incluído neste rol após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Sem uma lei, a realização do aborto legal segue, portanto, normas editadas pelo Ministério da Saúde mas que não têm força legislativa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.