• AALR3 R$ 20,22 0.40
  • AAPL34 R$ 67,55 -1.83
  • ABCB4 R$ 16,70 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,05 -0.21
  • AERI3 R$ 3,64 -5.94
  • AESB3 R$ 10,64 -3.01
  • AGRO3 R$ 31,01 0.36
  • ALPA4 R$ 20,73 -0.14
  • ALSO3 R$ 19,06 -2.11
  • ALUP11 R$ 27,19 0.07
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,33 -2.69
  • AMER3 R$ 22,83 -5.15
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,40 -2.70
  • ARZZ3 R$ 79,88 0.47
  • ASAI3 R$ 15,86 -0.06
  • AZUL4 R$ 20,66 -5.92
  • B3SA3 R$ 11,96 -1.16
  • BBAS3 R$ 37,74 -0.59
  • AALR3 R$ 20,22 0.40
  • AAPL34 R$ 67,55 -1.83
  • ABCB4 R$ 16,70 -0.36
  • ABEV3 R$ 14,05 -0.21
  • AERI3 R$ 3,64 -5.94
  • AESB3 R$ 10,64 -3.01
  • AGRO3 R$ 31,01 0.36
  • ALPA4 R$ 20,73 -0.14
  • ALSO3 R$ 19,06 -2.11
  • ALUP11 R$ 27,19 0.07
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,33 -2.69
  • AMER3 R$ 22,83 -5.15
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,40 -2.70
  • ARZZ3 R$ 79,88 0.47
  • ASAI3 R$ 15,86 -0.06
  • AZUL4 R$ 20,66 -5.92
  • B3SA3 R$ 11,96 -1.16
  • BBAS3 R$ 37,74 -0.59
Abra sua conta no BTG

Pelo segundo ano consecutivo, Brasil não terá horário de verão em 2020

O instrumento foi usado de 2008 a 2018 com o objetivo de economizar energia em 10 estados. Desde 2019 o presidente Jair Bolsonaro encerrou o horário
Horário de verão: em 2019 o presidente Jair Bolsonaro encerrou o instrumento de economia de energia. (Agência Brasil/Arquivo)
Horário de verão: em 2019 o presidente Jair Bolsonaro encerrou o instrumento de economia de energia. (Agência Brasil/Arquivo)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 17/10/2020 17:49 | Última atualização em 17/10/2020 17:49Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Pelo segundo ano seguido o Brasil não terá horário de verão, instrumento usado de 2008 a 2018 com o objetivo de economizar o consumo de energia em 10 estados que registram maior luminosidade entre outubro e fevereiro.

Por decreto em abril do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro encerrou o horário de verão após estudo do Ministério de Minas e Energia (MME) apontar que com o fim da mudança temporária o consumidor teria uma economia de R$ 100 milhões.

"Nos últimos anos, com as mudanças no hábito de consumo da população e a intensificação do uso do ar condicionado, o período de maior consumo diário de energia elétrica foi deslocado para o período da tarde, quando o horário de verão não tinha influência. Como a luz traz consigo o calor, o horário de verão também passou a produzir um efeito de aumento de consumo em determinados horários, que já superavam seus benefícios", explicou o MME em nota na época.

A redução da economia do horário de verão começou a ser percebida e questionada em 2017, quando foi registrada uma queda de consumo da ordem de 2.185 megawatts, equivalente a cerca de R$ 145 milhões. Em 2013, a economia havia sido de R$ 405 milhões caindo para R$ 159,5 milhões em 2016, uma queda de 60%.