Brasil volta a estar em ranking internacional de dados sobre a covid-19

Monitoramento em tempo real da Johns Hopkins retirou o Brasil da lista mais cedo neste sábado após decisão do ministério da Saúde

O monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins sobre os casos do novo coronavírus no mundo já é uma referência global. Após a decisão do ministério da Saúde brasileiro de não divulgar mais o histórico dos dados relacionados ao país, o site, que leva em conta informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de órgãos locais, retirou o Brasil da lista. No entanto, nesta noite, o país voltou a aparecer no ranking, mantendo a posição de segundo mais afetado de acordo com a universidade, atrás somente dos Estados Unidos, que tem 1.919.430 doentes.

Na manhã deste sábado (6), o site do governo, que antes era voltado para informar a população sobre a situação da covid-19 no país, foi atualizado e agora traz apenas as informações sobre recuperações da doença, novas contaminações e os óbitos, sem contabilizar os números, como era feito anteriormente.

O último balanço divulgado pela Saúde, na última sexta-feira (5), registrava 35.026 mortes e 645.771 casos confirmados. Em um dia, foram adicionados ao relatório mais 1.005 óbitos e 30.830 pessoas infectadas — o que colocou o Brasil, segundo a Johns Hopkins, na desconfortável posição de terceiro país com o maior número de mortes pela doença no mundo. Segundo o monitoramento, 645.771 estão infectadas no país.

Em nota enviada à Exame, a universidade afirmou que a decisão se devia a “suspensão temporária do ministério da Saúde brasileiro de divulgar os dados sobre a covid-19”. “Até os dados estarem disponíveis novamente, estamos mostrando os últimos números oficiais que temos (dia 4 deste mês). Quando os dados se tornaerm disponíveis novamentes, vamos corrigir”, afirmaram.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.