Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Bolsonaro sai enfraquecido após semana turbulenta; ouça no EXAME Política

Dança das cadeiras deve afastar militares do governo, que tendem a adotar uma postura mais discreta; enquanto isso, Centrão deve continuar cobrando altos preços por apoio ao Planalto

Enquanto o Brasil registrava recordes de casos e mortes por coronavírus, em Brasília a semana foi marcada pela reforma ministerial promovida pelo presidente Jair Bolsonaro em parceria com o Centrão.  Após fortes pressões, o bloco conseguiu expurgar  parte da ala ideológica do Palácio do Planalto e, no lugar, incluir nomes da sua esfera de influência, como a deputada Flávia Arruda (PL-DF), aliada de Arthur Lira, presidente da Câmra, e agora responsável pela articulação política do governo.

Na avaliação do cientista político André César, da Hold Assessoria Legislativa, após a dança das cadeiras que respingou até no Ministério da Defesa - o que provocou um frazir de cenhos dentro e fora do Brasil -, Bolsonaro termina a semana enfraquecido e ainda mais refém do centrão, que deve continuar cobrando altos preços pelo apoio - ou, pelo menos, pela não-retirada do apoio - ao presidente.

"Bolsonaro sai dessa crise pior do que entrou, ainda mais enfraquecido e abrindo flancos contra ele, que podem ser cobrados daqui até a eleição", explicou César no último episódio do podcast EXAME Política. "O Centrão hoje é um ator fundamental na estrutura do governo, e vai continuar demandando mais do Planalto. Ao contrário do Bolsonaro, eles sabem jogar o jogo."

Fundador do IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública, Maurício Moura explica que nem mesmo as ingerências do centrão no Planalto são suficientes para comprometer a aprovação do presidente entre os seus apoiadores mais fieis. Entretanto, para grande maioria da sociedade, incluindo os segmentos de renda mais alta (que ajudaram Bolsonaro em 2018), o presidente vem perdendo popularidade.

"O grosso da sociedade está preocupada com a velocidade da vacinação e com o auxílio emergencial. Essa instabilidade característica do governo Bolsonaro virou rotina, mas a má gestão da pandemia incomodou muito a classe média, que começa a perder a paciência", explicou Moura, também no podcast. "As avaliações ótimo ou bom do presidente não caem, mas as que atribuem ruim ou péssimo vêm crescendo."

Mesmo com a troca do comando da Defesa, e a consequente mudança nos comandos das Forças Armadas, César aposta que os militares já percebem uma perda do capital político que a instituição vinha construindo desde os governos petistas.

As instituições militares, desde os governos petistas, sempre foram vistos como competentes e honestas, mas já começam a perceber essa perda de capital político. Eu não creio que a relação dos militares com o Planalto deve mudar daqui para frente. Além de não responder positivamente a eventuais demandas de Bolsonaro, os militares devem promover um ligeiro afastamento, mantendo a discrição típica da caserna.

André César, cientista político da Hold Assessoria Legislativa

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também