A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Bolsonaro na ONU: natureza preservada e contra passaporte da vacina

Em seu terceiro pronunciamento na ONU, ele apresentou um balanço econômico brasileiro durante o último ano e falou que o país respeita as leis ambientais

O presidente Jair Bolsonaro abriu os discursos da 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), realizada na manhã desta terça-feira, 21, em Nova York, nos Estados Unidos. Em seu terceiro pronunciamento na ONU, ele apresentou um balanço econômico brasileiro durante o último ano, falou que o país respeita as leis ambientais e defendeu ser contrário ao passaporte da vacina. 

  • Entenda como as decisões do Planalto, da Câmara e do Senado afetam seus investimentos. Assine a EXAME.

“Apoiamos a vacinação, contudo o nosso governo tem se posicionado contrário ao passaporte sanitário ou a qualquer obrigação relacionada a vacina. Desde o início da pandemia, apoiamos a autonomia do médico na busca do tratamento precoce. Eu mesmo fui um desses que fez tratamento inicial. Respeitamos a relação médico-paciente na decisão da medicação a ser utilizada e no seu uso off-label. Não entendemos porque muitos países, juntamente com grande parte da mídia, se colocaram contra”, disse. 

Antes mesmo de desembarcar para Nova York, o presidente brasileiro passou por uma saia justa ao quase ser barrado de entrar no prédio da ONU. Isso porque a organização debateu a exigência de vacinação para estar na reunião dos líderes mundiais, mas decidiu liberar a obrigatoriedade. Bolsonaro já declarou que não se vacinou.

No discurso, o presidente enalteceu o tamanho da população vacinada contra a covid-19 no Brasil. Havia uma expectativa de que ele anunciasse doação de doses a países da América Latina em dificuldade, o que não ocorreu. 

O Brasil já vacinou, com pelo menos a primeira dose, mais de 141 milhões de pessoas, o que corresponde a 66% da população, ultrapassando os Estados Unidos (com 63%). Olhando para as pessoas totalmente imunizadas, o Brasil está bem atrás (35% contra 54%).

Bolsonaro disse que o Brasil tem uma das maiores florestas preservadas do mundo, e convidou os líderes mundiais a conhecerem a Amazônia. “São 8,5 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 66% são vegetação nativa, a mesma desde o seu descobrimento, em 1500”, afirmou.

Citou ainda que 83% da geração de energia do país é oriunda de fontes renováveis. "Por ocasião da COP-26, buscaremos consenso sobre as regras do mercado de crédito de carbono global. Esperamos que os países industrializados cumpram efetivamente seus compromissos com o financiamento de clima em volumes relevantes", disse.

Economia

O presidente Bolsonaro fez um retrato de como está a economia brasileira, e tentou estimular os investidores a olhar para o país. Disse que desde que assumiu, há dois anos e oito meses, o país tem o "maior programa de parceria de investimentos com a inciativa provada de sua história".

"Até aqui, foram contratados 100 bilhões de dólares de novos investimentos e arrecadados 23 bilhões de dólares em outorgas. Na área de infraestrutura, leiloamos, para a iniciativa privada, 34 aeroportos e 29 terminais portuários. Já são mais de US$ 6 bilhões em contratos privados para novas ferrovias. Introduzimos o sistema de autorizações ferroviárias, o que aproxima nosso modelo ao americano", afirmou.

Assembleia semipresencial

A Assembleia Geral das Nações Unidas foi realizada de forma semipresencial, com discursos na sede da ONU, como o do presidente brasileiro, e outros gravados. Como é tradição desde 1947, o Brasil abriu os pronunciamentos. A fala sempre dá o tom da diplomacia do país, e respostas às pressões internacionais sobre questões locais.

Na abertura, o secretário-geral,  António Guterres, alertou o mundo para “acordar” e fazer frente a uma das maiores crises da história da humanidade. “Os problemas que nós criamos, somos capazes de resolver”, disse. O português pediu um plano de vacinação global, em um mundo onde 90% das pessoas dos países mais pobres ainda esperam a primeira dose.

Tenha acesso ilimitado às principais análises sobre o Brasil e o mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também