Brasil

Bolsonaro mantém indicação de Eduardo para embaixada e nega recuo

Na terça-feira, 20, presidente admitiu a possibilidade de desistir da indicação do filho, caso perceba que não há votos suficientes no Senado

Bolsonaro: presidente disse que vai manter a indicação de Eduardo para a embaixada em Washington (Carolina Antunes/PR/Reprodução)

Bolsonaro: presidente disse que vai manter a indicação de Eduardo para a embaixada em Washington (Carolina Antunes/PR/Reprodução)

R

Reuters

Publicado em 21 de agosto de 2019 às 12h32.

Brasília — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que não há recuo e que irá enviar o nome de seu filho, Eduardo, ao Senado como indicado ao posto de embaixador nos Estados Unidos.

"Eduardo vai ser apresentado ao Senado, vai ser. Não tem recuo. É o momento certo. Eduardo está estudando, se preparando", disse.

No dia anterior, questionado novamente sobre o envio da mensagem ao Senado, o presidente disse que não queria submeter o filho "a um fracasso", o que foi interpretado como um sinal de que poderia desistir de indicar Eduardo para a embaixada caso houvesse riscos de uma derrota.

O nome do deputado precisa ser aprovado em votação secreta na Comissão de Relações Exteriores e no plenário da Casa. Eduardo vem fazendo o próprio lobby, mas o governo admite que os números ainda não dão segurança.

Enquanto isso, o Planalto segura o envio da mensagem com a indicação.

Perguntado se o envio poderia acontecer em setembro, Bolsonaro disse que pode fazê-lo depois do feriado de 7 de setembro, mas que o filho é quem vai dizer quando seu nome pode ser enviado.

"Essa pergunta fica para o Eduardo, ele que vai sentir o timing. Eu apenas vou usar a caneta Bic", afirmou.

Acompanhe tudo sobre:Eduardo BolsonaroGoverno BolsonaroJair BolsonaroSenadoWashington (DC)

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame