Bolsonaro escolhe mulher para ser nova presidente da Caixa; diz site

Pedro Guimarães que deve deixar o cargo ainda nesta quarta-feira, 29, após denúncias de assédio investigadas pelo Ministério Público Federal virem à tona
Daniella Marques: ela ocupa atualmente o cargo de secretária de Produtividade do Ministério da Economia. (Clauber Cleber Caetano/PR/Flickr)
Daniella Marques: ela ocupa atualmente o cargo de secretária de Produtividade do Ministério da Economia. (Clauber Cleber Caetano/PR/Flickr)
D
Da redação, com agências

Publicado em 29/06/2022 às 11:27.

Última atualização em 29/06/2022 às 11:34.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) escolheu quem vai ser a nova presidente da Caixa: Daniella Marques. De acordo com o blog do jornalista Lauro Jardim, de O Globo, ela será a sucessora de Pedro Guimarães que deve sair ainda nesta quarta-feira, 29, após denúncias de assédio investigadas pelo Ministério Público Federal virem à tona.

Ainda segundo Lauro Jardim, ela é braço-direito de Paulo Guedes, ministro da Economia, e comanda desde fevereiro a Secretaria de Produtividade da pasta. A opção por Daniella Marques não era a indicação prioritária do centrão, que gostaria de colocar um aliado para o banco estatal.

Nos bastidores é dado como certo que Pedro Guimarães sairá ainda nesta quarta-feira do cargo de presidente da Caixa. O Ministério Público Federal abriu investigação para apurar denúncias de assédio sexual feitas por funcionárias do banco contra o presidente da instituição. A abertura da investigação, que está em andamento sob sigilo, foi confirmada pelo Estadão.

Cinco mulheres relataram as abordagens inapropriadas do presidente do banco. A revelação das denúncias foi feita pelo site Metrópoles nesta terça-feira, 28. Segundo um dos relatos, uma funcionária diz que o presidente do banco teria passado a mão em suas nádegas.

LEIA TAMBÉM: MP abre investigação para apurar denúncias contra presidente da Caixa

Procurado pelo Estadão, o Ministério Público Federal afirmou que não fornece informações sobre procedimentos sigilosos. A Caixa não respondeu aos questionamentos até a publicação desta reportagem.

Em nota ao Metrópoles, a Caixa informou que não tem conhecimento sobre as denúncias de assédio sexual contra Guimarães e que tem protocolos de prevenção contra casos de qualquer tipo de prática indevida por seus funcionários.

"A Caixa não tem conhecimento das denúncias apresentadas pelo veículo. A Caixa esclarece que adota medidas de eliminação de condutas relacionadas a qualquer tipo de assédio. O banco possui um sólido sistema de integridade, ancorado na observância dos diversos protocolos de prevenção, ao Código de Ética e ao de Conduta, que vedam a prática de 'qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça'", informou, em nota ao site.

(Com Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM