Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Bolsonaro seria um "desastre" como presidente, diz a The Economist

Em reportagem de capa, a revista compara presidenciável a Trump, nos EUA, e a Duterte, nas Filipinas, e diz que sua admiração por ditadores é "preocupante"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Bolsonaro: a publicação afirma que sua eleição não será positiva ao país (Economist/Divulgação)

Bolsonaro: a publicação afirma que sua eleição não será positiva ao país (Economist/Divulgação)

C
Clara Cerioni

Publicado em 20 de setembro de 2018 às, 10h27.

Última atualização em 20 de setembro de 2018 às, 12h05.

São Paulo — Para a revista britânica The Economist, uma possível eleição de Jair Bolsonaro (PSL) colocaria a democracia do Brasil e da América Latina em risco.

Segundo a publicação, veiculada desde 1843 e marcada pela defesa do liberalismo econômico e político, o presidenciável seria um "desastre" como presidente.

"Bolsonaro é o último de uma onda de populistas, que vai de Donald Trump nos EUA, a Rodrigo Duterte nas Filipinas e a uma coalizão de esquerda e direita com Matteo Salvini na Itália. Sua adesão a esse clube é, particularmente, desagradável", compara.

Em reportagem de capa na edição desta semana, a revista afirma que essa seria a eleição para mudar o futuro do país, que enfrenta dias difíceis "com uma economia desastrosa, finanças públicas sob pressão e com uma a política completamente podre". Mas, aparentemente, isso não acontecerá se o ex-militar for eleito.

Traçando a trajetória dos discursos polêmicos do ex-deputado, a publicação afirma que ele se mostra como a salvação para uma parcela de brasileiros que não querem mais "políticos corruptos e traficantes de drogas comandando o país".

Segundo a publicação, se o candidato do PSL enfrentar Fernando Haddad, do PT, no segundo turno "muitos eleitores da classe média e alta, que culpam Lula e o PT pelos problemas do Brasil, poderiam carregar Bolsonaro nos braços".

Sua estratégia, continua a reportagem, é misturar o conservadorismo pregado pela igreja evangélica com o liberalismo econômico, ao qual se reverteu recentemente.

A escolha de Paulo Guedes, com seu principal conselheiro econômico, diz a revista, é uma das ações do presidenciável para encantar os defensores do livre mercado.

A The Economist também destaca o episódio de esfaqueamento do ex-militar. "Isso só o tornou mais popular e protegeu-o de um exame mais minucioso pela mídia e seus oponentes."

"A tentação de Pinochet"

Um dos blocos da reportagem de capa faz uma análise sobre a "preocupante admiração" de Bolsonaro com regimes ditatoriais.

Cita a fala do presidenciável em reverenciar as ações do general Carlos Alberto Brilhante Ustra durante o regime militar de 1964. O vice na chapa de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão (PRTB), também é alvo de críticas pela revista.

"A resposta do Sr. Bolsonaro ao crime é, na verdade, matar mais criminosos - embora, em 2016, a polícia tenha matado mais de 4.000 pessoas", afirma.

A reportagem também traz uma crítica sobre a tendência dos brasileiros em aceitar o "rouba, mas faz", e que, para Bolsonaro, a frase poderia ser "eles torturaram, mas agiam", sobre o período ditatorial no Brasil.

Ainda segundo a Economist, a "América Latina conhece todos os tipos de homens fortes, a maioria deles terríveis". Relembra a situação na Venezuela e na Nicarágua e afirma que "a democracia no Brasil ainda é jovem e flerta com um autoritarismo preocupante".

Bolsonaro, no entanto, não é o homem que fornece as reformas necessárias, diz a revista. "Os brasileiros devem perceber que a tarefa de curar a democracia e reformar a economia não será fácil, nem rápida. Algum progresso foi feito, mas muito mais reformas ainda são necessárias."

Não é a primeira vez que a revista comenta a candidatura: em agosto, um editoral classificou Bolsonaro como "ameaça à democracia". Em novembro de 2017, ele foi chamado de demagogo e “garoto travesso”.

O Brasil também já esteve no foco em várias outras ocasiões: o auge da euforia com a economia brasileira foi marcado por uma capa que mostrava o Cristo Redentor decolando.

Em 2015, com a crise já se desenrolando, a revista decidiu estampar um Cristo desgovernado. Em 2016, a revista pediu a renúncia de Dilma e fez uma capa com o Cristo pedindo socorro.

Últimas Notícias

Ver mais
Salário mínimo 2024: qual o valor previsto e quando começa a valer?

Brasil

Salário mínimo 2024: qual o valor previsto e quando começa a valer?

Há 5 horas

Metrô de SP pede indenização milionária a sindicato por causa de greve

Brasil

Metrô de SP pede indenização milionária a sindicato por causa de greve

Há 5 horas

Achou novembro quente? Dezembro tem previsão de temporais e calor pode surpreender

Brasil

Achou novembro quente? Dezembro tem previsão de temporais e calor pode surpreender

Há 6 horas

Governo federal reconhecerá situação de emergência em Maceió, diz Ministério da Integração

Brasil

Governo federal reconhecerá situação de emergência em Maceió, diz Ministério da Integração

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais