BH proíbe consumo de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes

Segundo a prefeitura, a intenção é diminuir a circulação de pessoas para ampliar o distanciamento social; medida entrará em vigor a partir de segunda
Covid-19 em BH: a capital mineira viu um aumento expressivo no fluxo de pessoas de classes mais altas em restaurantes e bares da cidade (Jon Hicks/Getty Images)
Covid-19 em BH: a capital mineira viu um aumento expressivo no fluxo de pessoas de classes mais altas em restaurantes e bares da cidade (Jon Hicks/Getty Images)
Por André Martins, Mariana MartucciPublicado em 04/12/2020 16:41 | Última atualização em 04/12/2020 16:55Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Como reação ao aumento de casos de covid-19 na cidade, a prefeitura de Belo Horizonte publicou decreto no Diário Oficial do município que proíbe o consumo de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes da capital mineira. A restrição também se aplica às feiras públicas ou licenciadas. A medida entrará em vigor a partir de segunda-feira.

Segundo a prefeitura, a intenção é diminuir a circulação de pessoas para ampliar o distanciamento social na cidade e consequentemente reduzir o número de casos e internações. O decreto também estabelece um novo cronograma de funcionamento para os comerciantes da cidade. Outros alimentos e bebidas ainda poderão ser consumidos nos estabelecimentos.

Na semana passada, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), afirmou que existia a possibilidade de um novo fechamento da cidade, com o objetivo de conter novas infecções por covid-19. Kalil também disse que, daqui para a frente, poderá prender quem desrespeitar as regras impostas pela prefeitura para impedir aglomerações.

Nas últimas semanas, a capital mineira viu um aumento expressivo no fluxo de pessoas de classes mais altas em restaurantes e bares da cidade. Somado a uma maior expectativa de vacinação nos próximos meses, Belo Horizonte registrou um aumento da ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) para o tratamento da covid-19 em hospitais privados. Segundo dados da prefeitura da cidade, a ocupação de leitos de enfermagem para covid-19 dos 22 hospitais privados de Belo Horizonte quase dobrou em um mês.