• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,18 0.71
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,18 0.71
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Sara Winter é presa em inquérito que apura atos contra o STF

A prisão preventiva da militante acontece dias depois que o grupo liderado por ela lançou fogos de artifício contra o prédio do STF em Brasília
Sara Winter: militante bolsonarista foi presa em investigação que apura financiamento do grupo "300 do Brasil" (Reprodução/Reprodução)
Sara Winter: militante bolsonarista foi presa em investigação que apura financiamento do grupo "300 do Brasil" (Reprodução/Reprodução)
Por Da redação, com ReutersPublicado em 15/06/2020 09:10 | Última atualização em 16/06/2020 08:24Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A militante bolsonarista Sara Winter foi presa preventivamente na manhã desta segunda-feira, 15, no âmbito de um inquérito que apura a realização de atos contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional.

A prisão da ativista, que lidera um grupo de inspiração militar que apoia o presidente Jair Bolsonaro, chamado "300 do Brasil", acontece depois de, no fim de semana, este grupo ter lançado fogos de artifício contra o prédio do STF em Brasília.

Imagens do ataque foram divulgadas em redes sociais e levaram o procurador-geral da República, Augusto Aras, a abrir uma investigação atendendo a pedido do presidente do STF, Dias Toffoli.

A ativista teve o pedido decretado dentro do inquérito que investiga o financiamento de manifestações antidemocráticas. Outros cinco pedidos de prisão foram feitos, também de membros do grupo 300 pelo Brasil. Todos os mandados foram apresentados na última sexta-feira, 12, e são temporários, ou seja, têm duração de cinco dias.

De acordo com nota divulgada pelo Ministério Público Federal, há indícios de que o grupo continua organizando e captando recursos financeiros para ações que se enquadram na Lei de Segurança Nacional. O objetivo das prisões, diz o órgão, é ouvir os investigados e reunir informações de como funciona o suposto esquema criminoso.

Sara Winter já havia sido alvo de um mandado de busca e apreensão no âmbito de um outro inquérito, aberto por iniciativa do STF, que investiga a elaboração e disseminação de fake news e ataques e ameaças contra ministros da corte. As duas investigações acontecem paralelamente.

Bolsonaro participou de algumas das manifestações com cartazes contra o STF e o Congresso, investigadas pelo STF, e chegou a discursar em uma delas que foi realizada em frente ao quartel-general do Exército, em Brasília.