Brasil

Após ser adiada, MP das subvenções deve ser votada na comissão mista nesta terça

O texto faz parte da agendado governo federal para aumentar a arrecadação e pode render R$ 35 bilhões à Receita Federal

O texto faz parte da agendado governo federal para aumentar a arrecadação e pode render R$ 35 bilhões à Receita Federal (Marcello Casal/Agência Brasil)

O texto faz parte da agendado governo federal para aumentar a arrecadação e pode render R$ 35 bilhões à Receita Federal (Marcello Casal/Agência Brasil)

Publicado em 12 de dezembro de 2023 às 06h00.

A MP 1.185/2023, que dificulta determinadas isenções tributárias a empresas, será analisada nesta terça-feira, 12, na comissão mista da Câmara dos Deputados. A apreciação da matéria estava marcada para esta quinta-feira, 7, mas foi adiada mais uma vez. A expectativa é que o texto, relatado pelo deputado Luiz Fernando Faria (PSD-MG), seja votado nos plenários da Câmara e do Senado antes do recesso parlamentar de fim de ano.

O projeto faz parte da agenda do governo federal para aumentar a arrecadação e chegar à prometa meta de déficit fiscal previsto para 2024. A subvenção de investimento trata-se de um incentivo fiscal oferecido pelo governo para estimular investimentos produtivos em determinados setores ou regiões -- o que inclui a isenção ao ICMS. Com a MP, a Receita Federal espera recuperar R$ 35 bilhões em 2024 e R$ 137 bilhões em quatro anos.

O texto tramita em caráter de urgência. Por se tratar de uma MP, caso o Congresso não o aprove até 7 de fevereiro, poderá caducar -- isto é, perder a validade.

Impasses na subvenção

Apesar de haver anuência para a votação do relatório da MP da subvenção, líderes partidários relatam que o que falta são ajustes políticos. O fato do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não estar no Brasil também fez com que tudo ande com maior morosidade.

Na semana passada, frentes parlamentares, entre elas a Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE), se mobilizaram contra a possibilidade de cobrança retroativa sobre o estoque de benefícios que já foram abatidos pelas empresas. Segundo o presidente da FPE, o deputado Joaquim Passarinho (PL-PA), poderá haver apoio amplo à proposta caso o trecho seja retirado.

Na mesma semana, 45 entidades dos setores da indústria, agropecuária e varejo, entre elas a Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), assinaram um manifesto contra a aprovação da MP. Em nota, elas afirmam que as mudanças trarão consequências econômicas negativas, como o aumento da carga tributária sobre as empresas em cinco pontos percentuais e o desestímulo a investimentos.

"A geração de emprego será diretamente afetada no setor produtivo por aumentar significativamente a carga tributária das empresas. Precisamos ter maior clareza sobre esta abrupta mudança de regra tributária, bem como faz-se necessário um período de transição", diz também o manifesto ao qual a EXAME teve acesso.

Em nota, a Abrasca diz que o modelo proposto, além de complexo, pode "gerar sérios riscos para a viabilidade dos empreendimentos que dependem desse mecanismo para promover desenvolvimento regional". Para a associação, os eventuais abusos merecem ser combatidos e, por isso, deve haver uma análise eficient no momento da concessão. Um dos pontos citados é a "segurança jurídica em relação ao passado", assegurando que a medida não afete investimentos já realizados por empresas no país.

O que é a MP 1.185/2023?

A medida provisória estabelece regras para apuração e uso de créditos fiscais. Elas deverão ser seguidas para garantir a isenção tributária. Segundo decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), apenas créditos computados a partir de subsídio público para estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos poderão ser isentos de tributação.

Com a aprovação das novas regras, o governo federal deve economizar R$ 35 bilhões. Isso porque passará a ser necessário a comprovação do uso adequado da subvenção e do crédito para obter a isenção.

Acompanhe tudo sobre:ICMSReforma tributária

Mais de Brasil

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

'Fiquei surpreso de ver isso pela imprensa', diz Ricardo Nunes sobre queixas de Milton Leite

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

Mais na Exame