• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Anvisa libera venda de autotestes de covid-19 em farmácias

Mesmo com a aprovação, o produto não estará imediatamente nas farmácias, já que as marcas ainda precisarão pedir o registro para a agência e só assim terão autorização para venda
 (Getty Images/Oliver Helbig)
(Getty Images/Oliver Helbig)
Por Alessandra Azevedo, de BrasíliaPublicado em 28/01/2022 11:45 | Última atualização em 28/01/2022 11:45Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta sexta-feira, 28, liberar a venda de autotestes de covid-19, exames que poderão ser feitos em casa. Mesmo com a aprovação, o produto não estará imediatamente nas farmácias, já que as marcas ainda precisarão pedir o registro para a agência e só assim terão autorização para venda. 

O teste que poderá ser vendido em farmácias é o de antígeno, que detecta anticorpos por meio da coleta de material na boca e no nariz, por swab. A autorização não vale para o teste RT-PCR, considerado o "padrão ouro" para diagnóstico da doença, que detecta a presença do material genético do vírus. A sensibilidade do teste de antígeno é inferior à do RT-PCR.

A Anvisa sugere que as empresas interessadas em vender os autotestes desenvolvam estratégias para que os usuários do produto informem os resultados pela internet. Se o resultado for positivo, a recomendação é que o cliente procure uma unidade de atendimento de saúde para confirmar o diagnóstico e fazer as notificações pertinentes.

O Ministério da Saúde pediu para que a Anvisa autorizasse a venda de autotestes no dia 13 de janeiro. Mas, em reunião no último dia 19, os diretores da agência cobraram mais informações e a formalização de política pública que acompanhe essa autorização, exigência para a liberação da venda dos exames. 

Na nota técnica que embasou o pedido do ministério, não havia proposição de políticas públicas, requisito para rever a regulamentação atual, que proíbe os autotestes. O documento apenas trazia orientações para o uso do exame. A Anvisa informou que recebeu uma resposta da pasta na noite de terça-feira, 25, com detalhes sobre a inclusão do produto no Plano Nacional de Expansão da Testagem para covid-19.

"Logo, entendo que a implementação do requisito essencial para avanço da proposta normativa ora em discussão foi cumprido", concluiu a diretora relatora do processo na Anvisa, Cristiane Rose Jourdan, que recomendou a liberação dos autotestes e ressaltou que o produto pode representar uma “excelente estratégia de triagem e medida adicional de controle da pandemia”.

A expectativa é que os autotestes sejam comercializados por um preço mais barato do que os testes de farmácias e laboratórios, em torno de 40 reais a 70 reais. Embora não caiba à Anvisa estabelecer preços máximos de dispositivos médicos, os diretores ressaltaram a importância de que os preços não sejam abusivos, o que poderia prejudicar o resultado da política pública, de ampliar a testagem de forma significativa.

“É fundamental que os órgãos de proteção e defesa do consumidor continuem a realizar ações com o propósito de coibir práticas de mercado que possam ser consideradas abusivas, uma vez que, a depender dos preços praticados, tais produtos não serão acessíveis a parcela considerável da população, o que prejudicará o atingimento do propósito da política pública do ministério”, disse o diretor Rômison Rodrigues Mota.