A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Anvisa investiga morte de jovem após vacina da Pfizer; ainda não há elo

Segundo o órgão, por enquanto não há relação definida entre o óbito e a administração do imunizante

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, nesta quinta-feira, 16, que está investigando a morte de uma adolescente de 16 anos após a aplicação da primeira dose de vacina da Pfizer. Segundo o órgão, por enquanto não há relação definida entre o óbito e a administração do imunizante.

Ainda de acordo com a Anvisa, no momento, não há a necessidade para alterar a vacinação no país. A agência foi informada na quarta-feira, 15, que o falecimento ocorreu no dia 2 de setembro.

“A Anvisa já iniciou avaliação e a comunicação com outras autoridades públicas e adotará todas as ações necessárias para a rápida conclusão da investigação. Entretanto, com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina”, diz a entidade em nota enviada à imprensa.

Além de estabelecer contato com as sociedades científicas, a fim de intensificar a identificação precoce dos casos de eventos adversos graves pós-vacinação de adolescentes, a Anvisa realizará reunião com a empresa Pfizer e os responsáveis pela investigação do caso no estado e Cievs Nacional para obter mais informações.

Por conta do episódio, o Ministério da Saúde recomendou a suspensão da aplicação em adolescentes sem comorbidades. Segundo o ministro, Marcelo Queiroga, a medida foi tomada de maneira preventiva.

Queiroga chegou a convocar uma coletiva de imprensa para falar da suspensão da aplicação, mas só disse que se tratava de um evento adverso grave. O termo é utilizado para identificar qualquer problema que pode estar relacionado com a aplicação de vacinas.

Na orientação do Ministério da Saúde, os adolescentes sem doenças crônicas que receberam a primeira dose não devem receber a segunda dose. Quem tem comorbidade deve continuar o esquema. "Quem tomou vacina que não estava prevista não toma mais nada. Eu, como ministro, não vou autorizar a intercambialidade neste grupo", disse.

Vale lembrar que a Organização Mundial da Saúde e a Anvisa já reconheceram a vacina da Pfizer como segura para adolescentes a partir dos 12 anos. No caso do órgão brasileiro, a autorização foi baseada após a apresentação de estudos que indicaram a segurança e eficácia da vacina. Além do Brasil, países como Estados Unidos, Chile, Canadá e Reino Unido continuam usando a Pfizer para vacinar adolescentes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também