• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Anvisa libera Coronavac para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos

O esquema vacinal é o mesmo para maiores de 18 anos, com duas doses, e intervalo de 28 dias. O Butantan queria liberação a partir de 3 anos
 (Reuters/Rodrigo Garrido)
(Reuters/Rodrigo Garrido)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 20/01/2022 12:55 | Última atualização em 20/01/2022 16:12Tempo de Leitura: 5 min de leitura

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta quinta-feira, 20, a aplicação da vacina contra a covid-19 Coronavac para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos, com exceção dos imunocomprometidos. O pedido, feito do Instituto Butantan, abrangia crianças a partir de 3 anos, mas, segundo o órgão, faltam dados para uma autorização maior.

A decisão foi unânime dos cinco diretores da Anvisa. Este é o segundo pedido que o Instituto Butantan fez ao órgão para o uso emergencial da vacina em crianças e adolescentes. O primeiro, em agosto do ano passado, foi negado pela falta de dados dos estudos realizados com a população pediátrica.

  • Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

Nesta nova análise, o Butantan enviou dados de fase 3 dos testes de eficiência e eficácia. Foram estas informações que faltaram no primeiro pedido. O estudo é feito com 14 mil crianças e adolescentes de 6 meses a 17 anos, em diversos países (China, África do Sul, Chile, Malásia e Filipinas), e os dados preliminares foram encaminhados à Anvisa. Foi com base neste teste que o órgão tomou a decisão.

Segundo Gustavo Mendes, gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, faltam informações sobre os estudos com crianças entre 3 e 5 anos. "Nossa sugestão é que somente crianças de 6 a 17 anos sejam vacinadas, desde que não sejam imunocomprometidas. São os dados que temos maior informação e maior sugestão de desempenho. E isso é corroborado pelas sociedades médicas", disse ele durante a reunião da Anvisa, na manhã desta quinta-feira.

Ainda de acordo com Mendes, existe a necessidade de acompanhar os estudos feitos globalmente com a Coronavac. Um dado preliminar mostra que após seis meses há uma queda nos anticorpos capazes de neutralizar o coronavírus. A mesma informação já foi observada com outras vacinas, sendo necessária a dose de reforço. Também há a necessidade de receber os dados finalizados dos estudos de fase três.

Em seu voto, Meiruze Freitas, diretora da Anvisa, lembrou que a Coronavac é usada em mais de 110 países, sendo a mais aplicada globalmente, com cerca de 1 bilhão de pessoas imunizadas. "A vacina foi significativamente efetiva contra hospitalizações, internações em UTIs e óbitos na população pediátrica", disse.

Queiroga diz que "vai avaliar" compra

A Anvisa autorizou, em dezembro do ano passado, o uso da vacina da Pfizer em crianças entre 5 e 11 anos. O governo federal já recebeu aproximadamente 2,5 milhões de doses da vacina pediátrica da Pfizer. Um novo lote, com 1,8 milhão, está previsto para chegar no dia 24 de janeiro. A aplicação é realizada em todo o Brasil desde o último fim de semana, começando pelas crianças com comorbidades.

Na segunda-feira, 17, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que assim que a Anvisa liberasse a vacina pediátrica da Coronavac, a pasta “iria avaliar” para que o imunizante fosse disponibilizado dentro do Programa Nacional de Imunizações. Até o momento, não há acordo entre o governo federal e o laboratório paulista.

Butantan tem 15 milhões de doses prontas

O Instituto Butantan tem 15 milhões de doses da vacina contra a covid-19 para o uso em crianças e adolescentes prontas para serem distribuídas aos estados. Em entrevista coletiva, na quarta-feira, 19, o governador de São Paulo, João Doria (SP), disse que o uso da vacina seria feito imediatamente após o aval da Anvisa.

Segundo o presidente do Butantan, Dimas Covas, ainda não há nenhum acordo para o fornecimento da vacina pediátrica ao Ministério da Saúde, mas o laboratório paulista “está aberto” a firmar novos acordos com o governo federal.

Na conta do Butantan, 10 milhões estão reservadas ao governo de São Paulo — que pretende vacinar todas as crianças do estado — e as outras 5 milhões podem ser distribuídas ao governo federal e da mesma forma a outros estados. Por enquanto, não há compra por parte de outras unidades federativas.

Vacina é a mesma usada em adultos

Diferentemente da vacina da Pfizer, que tem uma fórmula específica para as crianças (cerca de um terço da adulta), a Coronavac é a mesma utilizada para a população pediátrica. O esquema vacinal também é o mesmo para menores de 18 anos, com duas doses, e intervalo de duas a quatro semanas. Isso poderia ajudar a acelerar a vacinação, uma vez que estados têm estoques de Coronavac.

Para adultos, a vacina do Butantan está autorizada desde o dia 17 de janeiro de 2021, de forma emergencial. O laboratório paulista nunca fez o pedido de uso definitivo, por isso, a Anvisa precisou fazer uma avaliação separada para a aplicação em crianças, conforme a legislação.

O imunizante, desenvolvido em parceria com o laboratório chinês Sinovac, é utilizado em crianças em diversos países do mundo, como Chile e Indonésia. Somente na China, mais de 140 milhões de crianças de três a 11 anos já receberam a vacina.