A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Alvo de prisão, dono de hospital do Amazonas recebeu PF a tiros

Investigação apura suspeitas na contratação de hospital privado pelo governo do Estado para funcionar como hospital de campanha

Um dos alvos de mandado de prisão temporária em cumprimento pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira, o empresário Nilton Costa Lins Júnior estava armado e recebeu a tiros os policiais federais durante a ação realizada em sua residência. Nenhum policial chegou a ser atingido, segundo fontes que acompanharam o caso, e o empresário acabou preso.

Nilton Lins é um dos donos do grupo empresarial que leva o nome de sua família e que possui um hospital privado em Manaus, que foi requisitado pelo governador do Amazonas Wilson Lima (PSC) para receber pacientes com Covid-19, sob um contrato de três meses no valor de R$ 2,6 milhões que previa a instalação de estrutura de hospital de campanha. Para a Procuradoria-Geral da República (PGR), houve direcionamento à contratação do hospital privado, já que um outro hospital possuía estrutura pronta para receber ampliação de 300 leitos.

Na sessão de julgamento do Superior Tribunal de Justiça nesta quarta, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo comentou o caso.

-- Gostaria de comunicar que tivemos um incidente bastante sério. A Polícia Federal foi recebida a tiros pelo filho do Nilton Lins, em uma situação bastante constrangedora e perigosa. Nós também temos um foragido, que é o Marcellus Campello. Foi a primeira vez que eu, em 30 anos, vi alguém receber a tiros uma busca e apreensão determinada por um ministro - afirmou.

A PF também cumpriu busca e apreensão contra Wilson Lima e mandado de prisão temporária contra o secretário de Saúde Marcellus Campêlo, na quarta fase da Operação Sangria.

No início do ano, o empresário também se envolveu em outra polêmica sobre suspeitas de furar a fila da vacinação. Suas filhas Gabrielle Kirk Lins e Isabelle Kirk Lins postaram fotos em redes sociais se vacinando em janeiro, logo no início da aplicação do imunizante. As duas são médicas recém-formadas e tinham sido nomeadas em cargos comissionados na prefeitura de Manaus na véspera do início da vacinação na cidade, o que levantou suspeitas de que a nomeação ocorreu apenas para justificar a vacinação. O Ministério Público chegou a abrir procedimento para investigar os fatos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também