Acompanhe:

Alesp retoma atividades ainda sem novos deputados e em meio a negociações para a Mesa Diretora

Parlamentares da próxima legislatura (2023-2027) só tomam posse no dia 15 de março

Modo escuro

Alesp: os partidos devem ainda discutir a distribuição de cargos na Mesa Diretora (Alesp/Divulgação)

Alesp: os partidos devem ainda discutir a distribuição de cargos na Mesa Diretora (Alesp/Divulgação)

A
Agência O Globo

Publicado em 1 de fevereiro de 2023, 12h11.

Última atualização em 1 de fevereiro de 2023, 12h17.

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) retoma suas atividades nesta quarta-feira ainda sem os novos deputados eleitos, que só tomam posse no dia 15 de março. A primeira reunião ordinária do ano está prevista para começar às 14h, mas o dia deve ser marcado por articulações em torno da eleição da Mesa Diretora.

O deputado André do Prado (PL), aliado de Valdemar Costa Neto (PL), desponta como o favorito para a presidência da Casa, hoje ocupada pelo tucano Carlão Pignatari. Além do próprio PL, que tem a maior bancada da Alesp, Do Prado já reuniu o apoio do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), do PSD e do PT. A expectativa é que o próprio PSDB também componha a chapa.

Os partidos devem ainda discutir a distribuição de cargos na Mesa Diretora. O PT já acertou o comando da 1ª secretaria, praxe da segunda maior bancada, mas o Republicanos busca um espaço de maior destaque. Uma parte da bancada do partido ficou insatisfeita com a decisão do governador de apoiar André do Prado — argumentam que sequer foram consultados sobre a escolha, articulada pelo secretário de governo, Gilberto Kassab (PSD).

O ex-prefeito de São Paulo também atuou nas últimas semanas para aproximar Tarcísio dos deputados de oposição. Nas reuniões com os parlamentares, Kassab garantiu a execução das emendas parlamentares e o cumprimento do acordo para o PT continuar à frente da 1ª secretaria.

O aceno não foi o único em direção à oposição. A própria escolha do líder do governo na Alesp, o deputado Jorge Wilson (Republicanos), foi um gesto que agradou ao PT. Conhecido como "Xerife do Consumidor", Jorge Wilson não é bolsonarista raiz e tem um bom trânsito em todas as bancadas.

Outro afago foi a sanção do projeto de lei que libera o fornecimento de medicamentos à base de cannabis no SUS do estado. Apesar da resistência de sua base, o governador assinou o projeto nesta terça-feira num evento simbólico no Palácio dos Bandeirantes ao lado dos deputados Caio França (PSB), Marina Helou (Rede) e Monica Seixas (PSOL).

O tom moderado de Tarcísio tem incomodado deputados da base bolsonarista. Eles pressionam o governador por mais medidas à direita, como a sanção do PL 668/21, que derruba o passaporte da vacina para trabalhar, estudar e ter acesso à saúde.

Além da sessão inaugural de 2023, também está prevista para esta quarta a posse de três parlamentares suplentes que entram na vaga de parlamentares eleitos para o Congresso