Brasil
Acompanhe:

Alckmin diz que nome de ministro na Fazenda virá depois da diplomação

O vice-presidente eleito destacou que o desafio será proporcionar crescimento no País de maneira inclusiva, com estabilidade e sustentabilidade

O vice-presidente eleito descartou preocupação com eventual aumento de imposto (EVARISTO SA / AFP/Getty Images)

O vice-presidente eleito descartou preocupação com eventual aumento de imposto (EVARISTO SA / AFP/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 7 de dezembro de 2022, 20h01.

O vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), coordenador da equipe de transição, confirmou que o nome do ministro da Fazenda no governo eleito será anunciado após a diplomação, no próximo dia 12. No entanto, segundo Alckmin, "o importante não são as pessoas; pessoas passam, instituições ficam".

Ao desviar o foco do anúncio do nome do novo ministro, que tem o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) como favorito para ocupar a cadeira, o vice-presidente eleito destacou que é preciso ter "boas instituições" no País.

Crescimento inclusivo

O vice-presidente eleito destacou que o desafio será proporcionar crescimento no País de maneira inclusiva, com estabilidade e sustentabilidade.

Na avaliação de Alckmin, o que não pode é voltar a inflação. "Porque a inflação não é socialmente neutra, ela tira o que tem do assalariado", pontua ele. "O crescimento com inclusão, estabilidade e sustentabilidade. Esse é o nosso desafio. Não é pequeno mas é factível", disse o vice-presidente eleito, em fala em evento da CBIC.

Alckmin citou um "diálogo permanente" envolvendo emprego e renda. Segundo ele, onde não há emprego, não há oportunidade para as pessoas.

O vice-presidente eleito descartou preocupação com eventual aumento de imposto, reforçando a promessa de simplificação tributária a partir da reforma tributária.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Modelo de saneamento

Alckmin afirmou ainda ser necessário "chamar atenção" para o fato de que outorgas muito elevadas em leilões de saneamento vão levar os compromissos de investimentos a patamares muito baixos.

Para ele, será necessário aperfeiçoar esse modelo. "Qual o equívoco aí? É ótimo ter lei de saneamento e trazer o setor privado. Mas quando se exige outorga altíssima, investimento vai lá para baixo. Você não está fazendo política pública para aumentar saneamento, você está fazendo caixa, aí ou vai ter que aumentar tarifa ou fazer investimento pequeno", disse Alckmin ao participar de evento promovido pela CBIC.

A declaração foi dada em resposta a preocupação de leilões de infraestrutura que exigem um forte desembolso de saneamento, o que tem restringido a participação de empresas menores nos certames. "Eu vejo que tem espaço para todo mundo, e quanto mais estimular pequenas e médias empresas a crescer, melhor (...). Claro que vender água é bom negócio, coletar e tratar esgoto já não é tão simples, mas é necessário. Então vamos ter que aperfeiçoar esse modelo de saneamento, exigindo mais investimento se quiser realmente universalizar", afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Alckmin sobre prisão de presidente do Peru: Democracia é princípio basilar

Posse de Lula já tem presença confirmada de 12 chefes de Estado