Brasil

Alckmin cita dia histórico com reativação do CNDI e possível votação da reforma tributária

As declarações foram dadas na reunião que marca a reativação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), no Palácio do Planalto

Geraldo Alckmin: Após sete anos paralisado, o CNDI retoma suas atividades sob forte pressão da indústria brasileira (Ricardo Stuckert/PR/Flickr)

Geraldo Alckmin: Após sete anos paralisado, o CNDI retoma suas atividades sob forte pressão da indústria brasileira (Ricardo Stuckert/PR/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de julho de 2023 às 13h04.

Última atualização em 6 de julho de 2023 às 13h06.

O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, fez um aceno à votação da reforma tributária no Congresso, que deve ocorrer a partir das 18h desta quinta-feira, 6, segundo o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O vice-presidente ressaltou que a matéria será fundamental para a economia brasileira. As declarações foram dadas na reunião que marca a reativação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), no Palácio do Planalto.

"É uma boa sinergia: no dia em que é instalado o CNDI é o dia que se deve votar a reforma tributária", disse Alckmin, cumprimentando os ministros envolvidos na discussão. "No dia em que se instala o Conselho, há a possibilidade de termos um dia histórico, que é a aprovação da reforma tributária que vai ser fundamental para a economia brasileira."

Após sete anos paralisado, o CNDI retoma suas atividades sob forte pressão da indústria brasileira. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que colocou Alckmin no comando do ministério que atende ao setor, assumiu o governo com a promessa de recuperar as bases industriais do País, num cenário de reclamação de falta de investimentos, de carência de estímulos à inovação e de concorrência desleal em relação a produtos que chegam do exterior.

Foram mais de 115 mil veículos vendidos em menos de 4 semanas, diz Alckmin

O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, afirmou nesta quinta-feira que foram vendidos mais de 115 mil veículos em menos de quatro semanas com o programa incentivo ao setor automotivo, lançado pelo governo federal no início de junho. Em declaração durante reunião que marca a reativação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), ele reiterou que o programa foi um sucesso.

"O programa automotivo foi um sucesso em poucas semanas, foram R$ 500 milhões de crédito tributário para pessoa física", disse o ministro. "Foi interessante porque mesmo os carros acima de R$ 120 mil aumentaram muito a venda, porque despertou o interesse das pessoas para procurarem as revendas."

No discurso, Alckmin fez um balanço das medidas já tomadas pelo governo federal, como o novo Padis, com a inclusão de energia solar. Em uma avaliação sobre o cenário brasileiro, o vice-presidente destacou uma "precoce" desindustrialização do País.

Dentre a retomada de programas implementados, o ministro destacou que o governo trabalha para reduzir a dependência de importação de fertilizantes, citou o comitê "gás para Indústria" dentro do programa Gás para Empregar e a plataforma de comércio eletrônico, que é onde será feito o acompanhamento do setor industrial de forma permanente.

O que é o Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI)?

Além de apresentar oficialmente as sete missões definidas pelo comitê executivo do CNDI em maio, o governo também quer levar no encontro de hoje as fontes e os volumes de recursos disponíveis para financiar o fortalecimento industrial nos próximos quatro anos.

As missões definidas pelo CNDI em maio apontam para um desenho de política industrial:

  • Cadeias agroindustriais sustentáveis e digitais para erradicar a fome;
  • Complexo da saúde resiliente para a prevenção e o tratamento de doenças;
  • Infraestrutura sustentável para a integração produtiva;
  • Transformação digital da indústria;
  • Descarbonização da Indústria,
  • viabilização da transição energética e bioeconomia;
  • Tecnologias críticas para a soberania e a defesa nacionais; 
  • Moradia e mobilidade sustentáveis para o bem-estar nas grandes cidades.

No total, 16 entidades industriais têm assento no CDNI, além de três centrais sindicais (CUT, Força e UGT), Embraer e do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI). Presidido pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), o colegiado é vinculado à Presidência da República. A formação ainda conta com vinte ministros do governo e o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante.

Acompanhe tudo sobre:IndústriaGeraldo Alckmin

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame