Agentes da CET recebem vacina contra covid-19 após erro da prefeitura

Segundo o sindicato da categoria, o problema começou após o recebimento de um e-mail oficial avisando que a vacina contra a covid-19 estava liberada

Um erro de comunicação da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo fez com que agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) acabassem furando a fila da vacinação do novo coronavírus na capital paulista. Fora do público-alvo, um grupo de servidores chegou a receber a primeira dose do imunizante na terça-feira, 13, antes de o equívoco ser corrigido.

Segundo o sindicato da categoria, o Sindviários, o problema começou após o recebimento de um e-mail oficial avisando que a vacina contra a covid-19 estava liberada. De acordo com o comunicado, bastaria o agente da CET apresentar o crachá em alguma unidade básica de saúde para receber a primeira dose.

A gestão Bruno Covas (PSDB), no entanto, admite que o aviso foi disparado com erro. Na verdade, os funcionários da companhia estão autorizados a receber a vacina contra a influenza (gripe) a partir desta quarta-feira, 14. "Uma nova mensagem, corrigida, foi enviada na sequência", diz a prefeitura, em nota.

O número de pessoas imunizadas por causa do equívoco não foi informado pelo governo. Segundo a prefeitura, todos os agentes vacinados contra a covid vão receber a segunda dose garantida para completar a imunização. O caso foi revelado pela TV Globo.

Iniciada em 19 de janeiro deste ano, a campanha de vacinação contra covid na cidade de São Paulo é direcionada para grupos prioritários em diferentes etapas. Não é necessário agendamento para tomar a vacina, desde que a pessoa esteja dentro do grupo a receber a imunização.

Neste momento, os grupos prioritários são: professores e profissionais de educação, profissionais de saúde, pessoas em situação de rua, funcionários de cemitérios e idosos com 67 anos ou mais. "Com relação à vacina contra covid-19, a ampliação de novas categorias está atrelada à disponibilização de novas remessas de doses, conforme as diretrizes dos Programas Nacional e Estadual de Imunização", diz a gestão Covas.

"Alívio se tornou aflição", diz sindicato

Em seu site, o Sindviários publicou nota criticando o episódio. Intitulado "Vacinação Covid-19 — Atraso e Bagunça", o texto afirma que a sensação é de "falta de respeito com a saúde física e mental de nossa categoria em um momento de acúmulo de tensões."

"O alívio se tornou aflição com a informação de que tudo não passou de um equívoco da Secretaria de Saúde da cidade de São Paulo", diz o sindicato, ao narrar o episódio. "O comunicado equivocado vem em péssima hora, afinal, trabalhadoras e trabalhadores que estão na linha de frente da linha de trabalho na cidade e em constante exposição ao vírus estão apreensivos."

O sindicato afirma, ainda, que "pressiona constantemente a CET e a Secretaria de Saúde" para incluir a categoria entre os grupos prioritários do programa de vacinação.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.