Afastamento de Aécio instaura duelo entre Senado e STF

ÀS SETE - O afastamento do tucano é alvo de conflitos, uma vez que senadores têm criticado a decisão tomada pelos ministros do Supremo

A quinta-feira será de expectativa no Senado a respeito do caso Aécio Neves (PSDB-MG). O tucano teve o afastamento determinado na terça-feira pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal em mais uma decisão polêmica.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Foram 3 votos a 2 pelo resguardo noturno, entrega do passaporte e impedimento de comunicação entre Aécio e outros investigados na ação penal da qual é réu,  ao lado de sua irmã e braço-direito, Andrea Neves.

Ainda hoje, após notificação da Suprema Corte, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), deve consultar os senadores para apreciar a questão.

Durante toda a quarta-feira o assunto repercutiu no Senado e no próprio Supremo. O ministro Gilmar Mendes criticou a decisão, dizendo que o afastamento do mandato tem efeito equivalente à prisão preventiva e que a situação de Aécio não correspondia aos preceitos constitucionais para a prisão de um senador em exercício, de flagrante em crime inafiançável.

Chamou de “suspeita” a decisão da Primeira Turma, da qual ele não faz parte. “Nós devemos evitar eu acho que a todo custo o populismo constitucional e institucional”, disse. “Devemos nos balizar pela Constituição. Quando começamos a reescrever a Constituição é algo preocupante”.

O ministro Roberto Barroso, que votou contra Aécio na sessão de terça, devolveu. “É uma medida [afastamento] prevista expressamente no Código de Processo Penal, no artigo 319, que diz com todas as letras ‘são medidas cautelares diversas da prisão’, e aí prevê o recolhimento domiciliar noturno”, afirmou.

“Esse dispositivo foi acrescentado ao Código de Processo Penal pelo Congresso Nacional, em 2011. Portanto, é o Congresso Nacional que definiu que essa não é uma hipótese de prisão”.

A surpresa da vez foi a “defesa” ao caso Aécio protagonizada pelo PT. “Para consumar seus objetivos políticos, rasgaram a Constituição e estimularam a ação político-partidária ilegal de setores do Judiciário e do Ministério Público”, disse nota do partido.

“Compactuaram com o processo de judicialização da política, que visou essencialmente a fragilizar os poderes eleitos pelo povo. (…) Aécio Neves defronta-se hoje com o monstro que ajudou a criar”.

Apenas alguns oposicionistas, como o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) foram em direção da decisão da Primeira Turma. Isso mostra que a insurgência dos senadores contra o Supremo nesta quinta será pesada.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também