Acordo com Pfizer prevê lote de vacinas no Brasil até junho de 2021

Apesar do prazo de seis meses, o Ministério da Saúde pretende iniciar a vacinação no fim de fevereiro porque tem acordos de compra com outras farmacêuticas

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta terça-feira, 8, que o governo federal vai comprar 70 milhões de doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer, desenvolvida com a BioNtech, depois de indicar que o imunizante não estaria nos planos do governo federal

A afirmação foi feita por Pazuello durante reunião virtual com governadores. O primeiro lote, de 8,5 milhões de doses, chega no primeiro semestre de 2021. Ele não revelou valores e disse que a compra da vacina ainda depende do registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com estas primeiras doses será possível vacinar cerca de 4 milhões de pessoas, uma vez que são necessária duas aplicações em um intervalo de 21 dias.

Apesar do prazo maior para a vacinada da Pfizer chegar ao país, o governo federal prevê iniciar a imunização contra a covid-19 no fim de fevereiro. Isso porque o Sistema Único de Saúde (SUS) tem acordos para receber 300 milhões de doses em 2021, sendo 260 milhões de Oxford/AstraZeneca e mais cerca de 40 milhões obtidas por meio do consórcio Covax Facility.

Em esboço de plano nacional de imunização, divulgado na última semana, o Ministério da Saúde previa começar a vacinar a população em março. Idosos com 75 anos ou mais, profissionais de saúde e indígenas serão os primeiros a receber as doses, estima a pasta.

As vacinas devem ser aplicadas em duas doses. A conta de 300 milhões de doses ignora possíveis compras da vacina da Pfizer ou da Coronavac, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac.

Pazuello disse na reunião, porém, que foi feito um memorando de entendimento não vinculante com o Butantan e com a Pfizer. 

O Reino Unido é o primeiro país ocidental a vacinar a população contra o coronavírus. E vai usar justamente a vacina da Pfizer, aprovada de forma emergencial. A imunização começou nesta terça-feira, 8, com os idoso acima de 75 anos. Estudos finais da fase de testes, publicados em novembro, mostraram que a vacina é 95% eficaz.

Governo de SP diz que vacinação começa em janeiro

Na segunda-feira, 7, o governo de São Paulo anunciou que prevê iniciar a vacinação contra a covid-19 no dia 25 de janeiro de 2021. A aplicação será de forma estadual, a começar pelos idosos e profissionais de saúde.

A vacina escolhida pelo governo paulista é a da chinesa Sinovac, que desenvolve o imunizante com o Instituto Butantan. Ainda é necessário a aprovação da última fase de testes e do registro por parte da Anvisa.

No cronograma do governo de São Paulo, esta primeira fase vai durar nove semanas, até o dia 28 de março. Serão vacinados 1,5 milhão de profissionais da saúde, e depois 7,5 milhões de pessoas acima de 60 anos. Após os trabalhadores da saúde, o calendário vai começar pelos idosos com 75 anos ou mais. A vacina será em duas doses, com um intervalo de 21 dias entre elas.

(Com Estadão Conteúdo)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também