52% dos brasileiros apoiam manifestações contra o governo, diz EXAME/IDEIA

Oposição ao governo realizou, no fim de maio, a primeira manifestação em mais de um ano. São esperados mais atos nas próximas semanas
 (Taba Benedicto/Agência Estado)
(Taba Benedicto/Agência Estado)
G
Gilson Garrett Jr

Publicado em 12/06/2021 às 10:57.

Última atualização em 12/06/2021 às 14:37.

No último dia 29 de maio, movimentos sociais, centrais sindicais e partidos de oposição organizaram manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro que reuniram milhares de pessoas em pelo menos 21 capitais e cidades do interior do país. Na pauta, estavam críticas ao ritmo lento de vacinação, o pedido da retomada do auxílio emergencial de R$ 600 e do impeachment do presidente.

Foi o primeiro grande ato em mais de um ano e há a expectativa de que mais manifestações se repitam nas próximas semanas. Novos atos de oposição a Bolsonaro são apoiados por 52% dos brasileiros, 30% discordam dos protestos, e 18% não sabem.

Estes são os dados da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA, projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. O levantamento ouviu 1.252 pessoas entre os dias 7 e 10 de junho. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. Clique aqui para ler o relatório completo. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

EXAME IDEIA Manifestacoes

(Arte/Exame)

“Este patamar é alto e dialoga, tem uma relação bastante próxima, com aqueles que avaliam o governo como ruim ou péssimo. Obviamente que quem é contra a manifestação tem uma relação com aqueles que aprovam positivamente o governo”, explica Maurício Moura, fundador do IDEIA.

Os que mais apoiam as manifestações moram na região Nordeste, com 56%. Os que menos concordam estão no Centro-Oeste, com 44% favoráveis e 42% contrários. Entre os evangélicos, grupo que mais apoia o presidente Bolsonaro, os que não concordam com os protestos são maioria (43% a 38%).

Apesar de apoio majoritário, os brasileiros se preocupam que as aglomerações causadas pelos protestos possam agravar a situação da pandemia de covid-19, que ainda é crítica em todo o país. Prova disso, é que 48% dizem que não participam de manifestações. Para 22%, não é o momento de protestar nas ruas, 19% participam só se for contra o governo, e 11% caso seja favorável a Bolsonaro.

EXAME IDEIA Manifestacoes

(Arte/Exame)

Para Maurício Moura, é muito provável que no próximo ano seja recorrente a realização de manifestações. “É esperado que o ano de 2022, com a situação sanitária mais controlada, haja várias manifestações nas ruas, tanto do lado do presidente, com uma base de apoio que tem se mostrado resiliente e sólida, quanto dessa camada muito significativa da população, quase majoritária, que desaprova o Bolsonaro”, afirma.

Desaprovação do presidente está em 49%

O alto apoio às manifestações tem ligação com a desaprovação do governo do presidente. As pessoas que avaliam o governo de Jair Bolsonaro como ruim ou péssimo somam 49%. Apesar de ter oscilado para baixo em relação à última pesquisa, esta variação está dentro da margem de erro.

Nunca antes na série histórica, medida desde o início do governo, a desaprovação ficou por tanto tempo com um valor próximo dos 50%. O patamar foi alcançado no dia 25 de março. Os que avaliam o trabalho do presidente como ótimo ou bom somam 26%, e os que consideram como regular são 23%.


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as terças-feiras. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.