O que é uma guerra?

Biden prometeu um “enorme esforço de tempos de guerra” contra a pandemia. Mas esse nosso cansado mundo já não está nas trincheiras há um ano?

PRINCETON – O presidente dos EUA, Joe Biden, iniciou seu mandato com um lindo e elaborado discurso que captou o espírito de um país exaurido pelo trumpismo e pelo COVID-19. Biden prometeu um “enorme esforço de tempos de guerra” contra a pandemia. Mas esse nosso cansado mundo já não está nas trincheiras há um ano?

Em 19 de março de 2020, quando Donald Trump tardiamente começou a agir como se o coronavírus pudesse ser sério, ele fez referência a "nossa grande guerra" e prometeu "continuar nosso implacável esforço para derrotar o vírus chinês". De modo semelhante, o presidente chinês,  Xi Jinping, em 6 de fevereiro de 2020, declarou uma “guerra popular” contra o vírus.

Por certo, a guerra de Trump descarrilou  rapidamente, bem como as tentativas anteriores dos EUA de implantar a analogia de guerra fora de um contexto militar ou diplomático. Em junho de 1971, o presidente Richard Nixon, chamando o abuso de drogas de “inimigo público número um”, lançou a “guerra às drogas”, que o presidente Ronald Reagan expandiu. Cinquenta anos depois, essa mobilização é quase universalmente reconhecida como tendo fracassado.

Da mesma forma, a “guerra ao terror”, declarada pelo presidente George W. Bush após os atentados de 11 de setembro de 2001, conseguiu apenas evitar uma repetição exata desse evento. Não apenas houve muitos outros ataques em outros lugares, mas o terror proliferou, tornando-se uma ferramenta para grupos como os nacionalistas brancos norte-americanos e apoiadores de Trump. Os guerreiros contra o terror estavam lutando contra uma tática, não contra um alvo.

Então, o que é preciso para se vencer uma guerra? Para começar, a vitória requer uma mobilização completa de pessoas e recursos. Não podemos nem mesmo esperar ter sucesso contra o COVID-19 a menos que organizemos as contribuições de muitos indivíduos diferentes – a  maioria, trabalhadores mal pagos e carentes de saúde, transportes, logística e outros setores críticos.

Historicamente, as guerras foram travadas com a promessa de que aqueles que as travassem seriam recompensados. A Segunda Guerra Mundial foi transformadora no sentido de que não apenas o inimigo foi derrotado, mas um mundo melhor foi construído sobre seu rescaldo. Saúde, educação e infraestrutura foram estendidas para o benefício de toda a sociedade.

A vitória também depende de “ótima logística”, como apontou uma porta-voz do serviço de correio e frete, UPS, durante um evento na Casa Branca no início da crise. Mas a ótima logística não aconteceu. Em vez disso, os resultados do teste do COVID-19 ainda são rotineiramente retidos pelos motivos mais estranhos, e os Estados Unidos quase não se importaram com o monitoramento do vírus ou rastreamento de contato.

Sem uma boa gestão logística, tudo o mais pode desmoronar. Na Primeira Guerra Mundial, a Rússia czarista produziu grãos mais do que o suficiente para alimentar sua população, mas as grandes cidades passaram muita fome. As autoridades culparam o  sistema ferroviário. Na verdade, havia muitos vagões para transportar grãos, mas eles estavam no lugar errado. Os ferroviários não tinham calçados e, portanto, não podiam comparecer ao trabalho.

As pandemias, como as guerras, produzem escassez de recursos essenciais, em que a aquisição descentralizada pode desencadear guerras de licitações, com agências locais e estaduais levando para cima os preços de equipamentos de proteção, suprimentos médicos ou vacinas. Disputas sobre a priorização da vacinação provavelmente criarão tensão entre grupos organizados, de aposentados e provedores de serviços médicos a professores e outros trabalhadores essenciais. Em guerras travadas com sucesso, a gestão dos suprimentos é centralizada para evitar seu desvio para usos ineficientes ou indesejáveis.

As guerras também dão origem à competição internacional, o que pode alimentar a raiva como vem sendo manifestada pelos cidadãos da União Europeia, que veem as vacinações acontecendo mais rápido no Reino Unido e em Israel do que em seus próprios países. As empresas que produzem vacinas –  Pfizer, AstraZeneca, Johnson & Johnson, GlaxoSmithKline, Merck, Moderna, Novavax e Sanofi – possuem instalações em muitos países. Mas elas precisam ter condições de operar em todo o mundo sem se preocupar com o modo como a produção afetará as estratégias de preços em mercados segmentados.

Outro problema para os fornecedores é a demanda transitória. Os fabricantes de vacinas enfrentam um problema análogo ao dos fabricantes de armamentos antes e durante as guerras: se investirem em gigantescas instalações de produção, acabarão com enormes linhas industriais específicas que se tornarão ociosas quando a guerra terminar. Portanto, é necessário haver mais clareza (e criatividade) sobre como a infraestrutura usada para combater o COVID-19 pode ser reaproveitada. Pelo menos as novas técnicas usadas nas vacinas de mRNA serão úteis para combater uma ampla gama de doenças e distúrbios no futuro.

As guerras também precisam ser financiadas. No passado, os países que enfrentavam a perspectiva de um grande projeto de lei de guerra presumiam que, com a vitória, poderiam impor os custos à parte derrotada. O governo Trump tentou essa abordagem quando insistiu que a China deveria pagar um "alto preço" por seu papel na pandemia, especialmente considerando-se que já havia retornado ao crescimento econômico antes do final de 2020. De qualquer modo, mesmo amigos e aliados irão disputar sobre a liquidação de dívidas de guerra. No caso do COVID-19, o único cenário realista é que ninguém mais vai pagar; as demandas por reparações apenas envenenarão a diplomacia internacional. Parte superior do formulário

Finalmente, a guerra contra o COVID-19 incorporou um enorme estímulo fiscal e monetário, muito além dos níveis em resposta à crise financeira global de 2008. Como tal, é importante que os governos comecem a preparar programas de estabilização de longo prazo para evitar gargalos, escassez e aumentos de preços quando a emergência passar.

Isso pode soar como uma tentativa de transformar um quadrado em um círculo. A chave é concentrar-se precisamente na necessidade do momento, aceitando que muitas outras necessidades não podem ser facilmente determinadas. Precisamos de instrumentos para hoje que também possam ser usados ​​de maneiras diferentes amanhã. E enquanto olhamos para um futuro melhor, também devemos nos preparar para impostos mais altos.

Existe um modelo para gerenciar esses dilemas temporais. A visão pós-Segunda Guerra Mundial contou com uma onda de dinamismo econômico que forneceu uma ponte da guerra para a paz. Sem um crescimento forte e compartilhado, o fardo da guerra teria sido insuportável. Somente uma perspectiva transformadora de uma sociedade geralmente mais saudável poderá nos ajudar a superar a triste realidade de hoje.

Harold James é Professor de História e Assuntos Internacionais, na Universidade de Princeton e Membro Sênior do Centro de Governança Internacional para a Inovação. É autor do livro a ser lançado brevemente: The War of Words (A Guerra das Palavras), pela Editora da Universidade de Yale.

Direitos Autorais: Project Syndicate, 2021. www.project-syndicate.org

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.