Financiamento global para acabar com a pandemia

A atual escassez de vacinas está levando os países a lutar para furar a fila, inclusive ao pagar preços premium por elas

NOVA YORK – As reuniões de primavera desta semana do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial oferecem uma histórica chance de cooperação financeira. As principais economias, incluindo Estados Unidos, União Europeia, China e outros países do G20, já sinalizaram seu apoio a uma nova alocação de US$ 650 bilhões em ativos de reserva do FMI, direitos especiais de saque (DES), para garantir que os governos de países de baixa e média renda, tenham os meios para combater a pandemia do COVID-19 e iniciar o caminho da recuperação liderada por investimentos. Com liderança, ousadia e criatividade, essa cooperação financeira global pode ajudar a acabar com a pandemia.

A imunização em massa é a chave. Menos de um ano após o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, ter sido identificado e sequenciado pela primeira vez, o apoio financeiro de governos – incluindo EUA, Reino Unido, Alemanha, Rússia, China e Índia – permitiu que várias empresas lançassem vacinas seguras e eficazes. Os países ricos que negociaram rapidamente acordos favoráveis ​​com os fabricantes de vacinas receberam a maior parte das doses até agora. Mas o fim da pandemia exige que todos os países alcancem uma cobertura abrangente de vacinas o mais rápido possível. Em termos práticos, a meta não deveria ser posterior ao final de 2022.

Esse empreendimento global sem precedentes requer sólida cooperação, incluindo apoio financeiro. No entanto, a urgência deveria ser clara para todos. Enquanto o COVID-19 persistir em altas taxas de transmissão em qualquer lugar do mundo, a pandemia continuará a interromper a produção, o comércio e as viagens globais, e também dará origem a mutações virais que ameaçam minar a imunidade previamente adquirida de infecções anteriores e vacinações.

Pior ainda, na trajetória atual, o coronavírus poderia se tornar endêmico em muitas regiões do mundo, impondo altos custos econômicos e de saúde nos próximos anos. Como a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, enfatizou esta semana, todos os países, portanto, compartilham um forte interesse em acabar com a pandemia em todos os lugares.

Os governos mundiais estabeleceram o Acelerador de Ferramentas de Acesso ao COVID-19 (ACT-A), que inclui a instalação do Acesso Global de Vacinas COVID-19 (COVAX), o pilar da vacina do ACT-A, para garantir o controle universal do SARS-CoV-2 . Mas, embora o ACT-A e o COVAX tenham estabelecido planos globais para vacinas, testes e tratamentos, os planos precisam ser reforçados com urgência por duas razões intimamente relacionadas.

Primeiro, a meta operacional atualmente usada pelo COVAX – um mínimo de 27% da população de todos os países elegíveis imunizados até o final deste ano – precisa ser elevada à vacinação de todos os adultos até o final de 2022. Isso é necessário para acabar com a pandemia e para reduzir as chances de novas mutações.

Em segundo lugar, o planejamento até o final de 2022 é urgentemente necessário, devido aos prazos para aumentar a produção e as cadeias de abastecimento de vacinas e outros produtos essenciais. No entanto, ACT-A e COVAX permanecem subfinanciados até mesmo para 2021: os US$ 11 bilhões que os governos alocaram até agora deixam uma lacuna de US$ 22 bilhões em financiamento para este ano – um déficit que até agora atrasou o planejamento necessário até o final de 2022.

Nesse ínterim, a atual escassez de vacinas está levando os países a lutar para furar a fila, inclusive ao pagar preços premium por elas. Isso ressalta a necessidade urgente de garantir que todos os países, inclusive os mais pobres, possam alcançar uma cobertura abrangente de vacinas de maneira justa e oportuna.

Os montantes adicionais necessários para garantir a cobertura universal de vacinas até o final de 2022 e outros suprimentos para combater o  COVID-19 são modestos – talvez  US$ 50 bilhões para o ACT-A. Essa é uma quantia insignificante em relação aos enormes benefícios globais de acabar com a pandemia e os enormes gastos relacionados à pandemia por governos de países de alta renda em todo o mundo. O governo dos EUA sozinho já gastou cerca de US$ 5 trilhões em despesas de emergência entre março de 2020 e março de 2021.

Para poder trabalhar, o ACT-A (incluindo o COVAX) precisa de antecipação de financiamento para cobrir as necessidades de vacinas até 2022. Considerando que o aumento da produção de vacinas (e alguns outros produtos) requer um prazo de 6 a 12 meses, os US$ 50 bilhões deveriam ser garantidos nas próximas semanas, para que o ACT-A e o COVAX possam trabalhar com os fabricantes para garantir os suprimentos necessários. A alocação de novos DESs pelo FMI oferece uma oportunidade única – talvez a única – de conseguir esse dinheiro.

Quando os novos DESs forem emitidos, cerca de US$ 20 bilhões em novas reservas irão diretamente para os países mais pobres. Além disso, cerca de US$ 100 bilhões ou mais alocados aos países ricos serão reciclados para o FMI para serem usados ​​em empréstimos de longo prazo a juros baixos.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, tem trabalhado em estreita colaboração e de forma criativa com os governos do G20 para projetar essa nova e promissora abordagem. Uma ideia excelente é usar os DESs para fortalecer o Fundo de Redução e Crescimento da Pobreza (PRGT) do FMI, a janela de financiamento do Fundo para os países pobres. Parte superior do formulário

Aqui existe um precedente importante. Em 2015, o FMI criou um Fundo de Alívio e Contenção de Catástrofes para ajudar a fornecer financiamento de emergência para o controle do Ebola para Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Desta vez, o financiamento do PRGT poderia ser condicionado ao seu uso para o ACT-A e aquisições relacionadas ao COVAX e para outras medidas de controle do COVID-19 que o governo tomador documenta junto ao FMI (como reembolsos de vacinas contra o COVID-19 que foram contratadas pelo Estado-Membro fora do COVAX).

O ACT-A está agora preparando estimativas do financiamento de que os 92 países de baixa e média renda do mundo elegíveis para apoio do COVAX precisarão para vacinas, testes, terapêuticas e outros suprimentos até o final de 2022. Com base nas necessidades estimadas de financiamento, um plano financeiro do ACT-A pode ser estabelecido para cada país, a ser apoiado pelos DESs e os fundos expandidos do PRGT.

Nas próximas semanas, um plano racional para financiar as necessidades da balança de pagamentos do COVID-19 de todos os países até o final de 2022 deverá surgir. O FMI foi criado para lidar com essa emergência de balança de pagamentos. O acesso ao financiamento do FMI protegerá o bem-estar e a estabilidade macroeconômica de cada país e do mundo como um todo.

Devemos aproveitar essa oportunidade crítica para que as Nações Unidas, o FMI e os principais governos – incluindo EUA, China, Rússia, UE, Japão, Reino Unido e outros – cooperem efetivamente para o bem da humanidade.

*Jeffrey D. Sachs, Professor da Universidade de Columbia, é diretor do Centro para o Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Columbia e presidente da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Direitos Autorais: Project Syndicate, 2021. www.project-syndicate.org

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.