Como o coronavírus pode nos fazer repensar as megacidades

A pandemia destacou as vulnerabilidades existentes nas megacidades, o que pode gerar um êxodo em massa dos mais ricos

PRINCETON – A covid-19 matou a megacidade? A pandemia certamente está remodelando a globalização, transformando os centros da economia global anteriores a  2020 em epicentros de contágio e deixando seu futuro na incerteza. Mas a crise simplesmente destacou também as vulnerabilidades existentes nas megacidades e os processos acelerados que já estavam em andamento.

No início deste século, cidades como Londres, Nova York e Hong Kong tornaram-se elos centrais no fluxo global de dinheiro, pessoas e ideias. Não eram apenas centros financeiros, mas também metrópoles culturais, colmeias de criatividade que dependiam da riqueza e do patrocínio dos banqueiros. Empreendedores e inovadores se juntaram, na esperança de reinventarem a si mesmos e o mundo.

Mas as megacidades também precisam de uma ampla gama de outros trabalhadores com diferentes conjuntos de habilidades. Consequentemente, os imigrantes acorreram a elas também, em busca de fortuna ou simplesmente de novas oportunidades para seus filhos. Muitos sonhavam em ingressar na elite criativa. No devido tempo, prósperas cidades globais se transformaram em caldeirões culturais.

Isso inevitavelmente criou novas tensões com o interior. As pessoas nos subúrbios ou áreas rurais passaram a ver a vida urbana como inatingível ou indesejável. A mobilização popular por trás do Brexit foi impulsionada em parte pelo ressentimento desses eleitores em relação a uma Londres cada vez mais multicultural e rica, cujo sucesso, eles suspeitavam, ocorria às custas deles. Até mesmo profissionais da classe média alta reclamavam que não suportavam mais o custo de vida em Londres.

Da mesma forma, os apoiadores do presidente Donald Trump dos Estados Unidos no sul, sudoeste e  centro-oeste se definem em contraste com lugares como São Francisco e Nova York. “Torne os EUA grandes de novo” (Make America Great Again) significa derrubar as elites costeiras. E, é claro, o choque de culturas entre Hong Kong e a China continental desde 1997 tem sido explicitamente óbvio, devido ao acordo de “um país, dois sistemas”.

Em cada caso, os exorbitantes preços das propriedades nas megacidades envenenaram o poço social. Moradias de alto padrão são acessíveis apenas para a elite global, deixando todos os outros residentes em condições de superlotação ou fora do centro da cidade. Os trabalhadores com empregos temporários ou sazonais muitas vezes não têm um bom local para morar, e uma crescente epidemia de indivíduos sem-teto começou bem antes da pandemia. Muitas pessoas dependem de transporte público inadequado e não confiável para se locomover por longas distâncias. Estudantes universitários e do ensino médio não têm acomodações adequadas.

Junto da covid-19 veio o medo da infecção e um êxodo em massa dos mais ricos. As economias locais nos bairros de alta renda entraram em colapso. A pandemia trouxe um novo tipo de polarização social, pois os trabalhadores dos serviços de saúde, transporte público e varejo foram forçados a se expor ao risco de infecção ou sacrificar seus ganhos.

Em contrapartida, trabalhadores do conhecimento simplesmente começaram a trabalhar à distância e a ganhar a vida  não lhes faltando nada exceto oportunidades para conviverem fisicamente. A nova divisão entre trabalhadores remotos e de linha de frente apontou para as nítidas distinções de classe que muitos preferiram ignorar desde muito tempo.

Mais recentemente, o vírus alimentou a busca por alternativas às megacidades de alto custo da era pré-pandêmica. Para os trabalhadores do conhecimento, a tecnologia torna o emprego remoto atraente e fácil, eliminando deslocamentos desagradáveis ​​e as despesas da vida na cidade. Por que não trabalhar e viver onde quiser?

É claro que a repulsa a cidades superlotadas e perigosas não é novidade. A pandemia mais catastrófica já registrada, a peste bubônica na Eurásia de meados do século 14, provocou uma fuga semelhante. Ler os relatos de Boccaccio sobre jovens aristocratas florentinos autoindulgentes que fugiam para as colinas de Fiesole é ligar o passado e o presente. No evento, a praga desencadeou uma mudança de longo prazo e intensificou o conflito de classes em Florença, quando os trabalhadores comuns se voltaram contra a elite urbana.

Mas o paralelo histórico mais marcante para o declínio das megacidades hoje é Veneza. Muito antes da crise atual, os políticos italianos e europeus frequentemente invocavam a cidade da lagoa que afundava como uma alegoria para a ausência de reformas. Imortalizada pela novela de Thomas Mann, Morte em Veneza, a cidade há muito representa um dilema universal. Depois de atingir o auge de sua glória no final do século 16, sofreu um longo declínio, devido às mudanças nas rotas comerciais, à nova concorrência das cidades mais pobres, porém mais dinâmicas, e à proximidade de doenças.

E, no entanto, Veneza também pode ser um modelo para a megacidade pós-COVID. Como nos lembram os historiadores da economia moderna, a história da cidade não é apenas uma história de colapso industrial e comercial no século 17. Em vez disso, a produção dos artigos venezianos mais icônicos mudou para o interior – para cidades menores como Treviso e Vicenza – o que forçou a República de Veneza a construir uma nova relação política com os territórios vizinhos. Parte superior do formulário

Atualmente, conflitos políticos pré-existentes têm dificultado a resposta geral à pandemia. Por sua própria natureza, as cidades globais estavam particularmente vulneráveis ​​ao vírus e, quando ele atacou, seus líderes e autoridades nacionais começaram a culpar uns aos outros. O prefeito de Londres, Sadiq Khan, regularmente ataca a cambaleante estratégia de bloqueio do primeiro-ministro britânico Boris Johnson. O prefeito da cidade de Nova York está em uma luta tripla com o governador de Nova York e Trump, que usou a crise das cidades americanas para desviar a atenção de sua cambaleante administração. No caso de Hong Kong, o vírus criou um pretexto para que a China reafirmasse sua autoridade sobre o território com uma abrangente nova lei de segurança.

O renascimento da verdadeira democracia é frequentemente considerado a melhor solução para os problemas associados à globalização tecnocrática. Mas, para que a democracia tenha algum atrativo, os governos democráticos terão de ser mais eficazes no combate não apenas ao vírus, mas também às fontes mais profundas de mal-estar, como pobreza e moradias inacessíveis. Sem uma administração competente, as megacidades estão fadadas a compartilhar o mesmo destino das grandes cidades do passado. Londres e Nova York podem afundar à sua maneira. Mas, desta vez, não haveria renascimento fora das megacidades.

*Harold James é Professor de História e Assuntos Internacionais, na Universidade de Princeton e Membro Sênior do Centro de Governança Internacional para a Inovação.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.