O bitcoin não serve para nada

Dizer isso é mergulhar no raso dessa inovação, é focar nos aspectos puramente especulativos e desconsiderar suas características

“O bitcoin não serve para nada”. Recebemos essa mensagem de um hater. Os haters têm nos provocado com discussões lastreadas na ignorância sobre diversos assuntos, principalmente no que diz respeito à coisas novas e de futuro, onde existe uma barreira muito grande de entendimento e aceitação da realidade. Mas, poxa, essa pegou no calo.

“O bitcoin não serve para nada”. Você também acha isso? Então sente, abra sua cabeça e venha comigo, que eu vou te contar umas coisas legais.

Para a maioria das pessoas, a primeira coisa que vem à mente quando se fala em bitcoin é o lucro. A rentabilidade ainda é o que mais chama a atenção, e por isso geralmente acaba sendo a via de entrada para esse mundo novo das moedas digitais criptografadas. Nesse ponto, já temos uma serventia para esta incrível moeda: ganhar dinheiro.

No entanto, ganhar dinheiro com o bitcoin não é uma regra, e tampouco é algo simples. Essa ideia de que “o bitcoin vai te deixar rico” precisa ser desmistificada. Tem gente perdendo tudo o que possui nessa ilusão de ganhar dinheiro fácil com bitcoin. Por isso, cautela e estudo são fundamentais antes de jogar seu dinheiro nas criptos. Mas… se permita abrir outras portas, dar uma olhada em outros ângulos e aos poucos desembaçar a sua visão sobre esse assunto.

Tudo vai bem até que comece a ir muito mal

O ano de 2020 não foi fácil para ninguém. Tivemos uma pandemia alastrada pelos cinco continentes, que pegou o alto escalão do poder global de calças curtas e disparou graves crises políticas e econômicas pelo mundo. O que antes não era tão relevante, ou passava despercebido pela sociedade, durante a pandemia ganhou importância. E, assim, diversas manifestações surgiram.

Na Nigéria, houve protestos contra a brutalidade, abuso e assédio policial aos cidadãos. Após o movimento criado pela Coalizão Feminista tomar força, o governo simplesmente encerrou as contas bancárias por onde elas recebiam recursos para financiar os protestos pelo país. Foi preciso buscar uma alternativa resistente à censura e à hostilidade governamental. A solução? Receber em bitcoin através do servidor BTC Pay Server, um processador de pagamento de bitcoin e outras criptomoedas que é open source e sem intermediários.

Na Bielorrússia, um pequeno país localizado entre a Rússia e a Polônia, as pessoas protestaram contra a repressão política e controle econômico ferrenho por parte do governo. O regime respondeu com força policial, prisões, paralisação da internet e demissões de todos que participaram dos protestos. Foi aí que surgiu a Bysol, uma organização sem fins lucrativos criada por empresários do setor de tecnologia para ajudar as pessoas que perderam seus empregos por mostrarem sua posição política ou que abandonaram seus cargos públicos como forma de protesto. Como o regime monitora todas as transações bancárias dos seus cidadãos, o único meio de transferências possível para que a Bysol pudesse seguir com seu trabalho de ajudar os bielorrussos, sem controle e bloqueio financeiro das autoridades, foi o bitcoin.

Eu poderia citar também casos de repressão da China à liberdade de expressão de meios de comunicação em Hong Kong e a crise econômica no Líbano, que provocou limitações bancárias, ambas situações com protestos e mais protestos.

Para todas essas pessoas, a tecnologia de uma moeda digital descentralizada é a tábua de salvação para sobrevivência. Poder confiar em algo que nenhuma autoridade ou Estado pode intervir é muito importante para quem se encontra em conflito político em seu país, independente do motivo. Nesses casos, o bitcoin serve como uma poderosa ferramenta de liberdade econômica e de expressão.

El Zonte: bitcoin ‘revive’ a economia local

No litoral de El Salvador, na América Central, existe uma pequena vila chamada El Zonte, onde vivem cerca de 3 mil habitantes. O lugar possui praias paradisíacas e é destino de turistas do mundo todo, mas, além de ter sido afetada pelas restrições da Covid-19, a estrutura econômica é pouco desenvolvida: não existem agências bancárias nem caixas eletrônicos na região. Estima-se que apenas 10% da população tenha conta em banco e o uso do dinheiro de papel era a principal forma de transacionar valores.

Em 2019, entretanto, um cara chamado Michael Peterson criou o projeto “Bitcoin Beach“, que tem como objetivo criar uma economia baseada em bitcoin na região, para ajudar no desenvolvimento local. Tem dado muito certo! Hoje, é possível pagar por roupas, transporte, alimentação e serviços públicos em bitcoin por lá.

No início de dezembro, o projeto organizou um festival esportivo e gastronômico. Mais de 2 mil transações foram realizadas com bitcoin. Os prêmios que as equipes esportivas receberam foram em satoshis.

Participantes del festival recibiendo premios en satoshis de bitcoin beach. Fuente: @Bitcoinbeach / Twitter.com Evento esportivo do projeto “Bitcoin Beach” teve pagamento de prêmios em bitcoin (Foto: Reprodução / Bitcoinbeach / Twitter)

Evento esportivo do projeto “Bitcoin Beach” teve pagamento de prêmios em bitcoin (Foto: Reprodução / Bitcoinbeach / Twitter) (/)

Em El Zonte, o bitcoin está servindo como moeda, impulsionando a economia local e criando uma alternativa financeira onde antes as possibilidades eram limitadas.

O Bitcoin serve para muita coisa, e serve para todos

Dizer que “o bitcoin não serve para nada” é mergulhar no raso dessa invenção, é focar nos aspectos puramente especulativos e não considerar as características fortes que o bitcoin possui, como resistência à censura, resistência à desvalorização, neutralidade, descentralização e a forma mais genuína de empoderar as pessoas: dar poder de escolha. É uma ferramenta contra o autoritarismo e uma garantia de preservação das liberdades individuais.

Espero que com esses exemplos eu tenha te ajudado a enxergar que o bitcoin vai muito além do lucro. O bitcoin é um instrumento de expressão, de liberdade, de transformação, de inclusão, de esperança. É uma das maiores invenções financeiras, tecnológicas, industriais e humanitárias do nosso tempo. O bitcoin serve para mim, para você, serve para todos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.