Quando conflitos da alma são mais destruidores que guerras

Como suicídios matam muitas vezes mais que guerras

Por: Sérgio Cavalcanti

Um recente estudo de Thomas Howard Suitt, candidato a PhD da Universidade de Boston, traz números estarrecedores sobre militares americanos que lutaram na Guerra do Afeganistão (de 2001 a 2020): 7.077 morreram no campo de batalha e 30.1777 ( fora do teatro de operações ou aposentados) se suicidaram.

Cerca de quatro vezes e meia mais mortes por suicídio que por combate demanda uma profunda reflexão sobre guerras e seus efeitos, mas também sobre doenças mentais e sua extensão.

Além das mudanças duradouras no cérebro causadas pelo stress pós-traumático, outras causas são apontadas para o alto número de suicídios; estes incluem o trauma sexual militar; a exposição ao trauma de combate; a histórica falta de respeito pelo tratamento da saúde mental nas forças armadas; e o sentimento de lesão moral que deriva de experiências traumáticas na guerra ou na instituição das forças armadas.

Outro indicador que o mundo anda estranho: quando observamos os números de suicídios globais versus as mortes por conflitos armados, os múltiplos são ainda piores. Vejamos: de acordo com a Organização Mundial de Saúde morrem anualmente cerca de 800.000 pessoas no mundo por suicídio, enquanto o número de mortes por conflitos aramados é cerca de 69.000 pessoas (número em declínio na última década), ou seja,  11 vezes mais mortes por suicídio que por conflitos armados.

No Brasil, 12 mil pessoas tiram a própria vida por ano, segundo o Ministério da Saúde.

Observe o ranking de 180 países em número de suicídios a cada 100.000 habitantes:

  1. Guiana (30.25 )
  2. Lesoto (28.86)
  3. Russia (26.54)
  4. Uruguai (16.48)
  5. Estados Unidos (13.67)
  6. Suécia (11.65)
  7. Brasil (6.14)

Voltando ao Brasil, em mais de 90% dos pacientes que se suicidaram havia uma doença mental relacionada. Na grande maioria dos casos, o diagnóstico é associado a depressão.

Entre os jovens, cerca de 96,8% dos casos de suicídio são relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar, está a depressão, seguida do transtorno bipolar e do abuso de drogas. Também são fatores de risco para o suicídio situações como desemprego, sensações de vergonha, desonra, desilusões amorosas, além de antecedentes de doenças mentais.

O problema já é considerado uma questão de saúde pública e o atual momento de tensão social, crise econômica e política o torna ainda mais preocupante.

A boa notícia é que a OMS afirma que o suicídio tem prevenção em 90% dos casos.

A polarização política e a erosão do sentimento de comunidade, aliado ao preconceito em relação aos distúrbios mentais, pode nos deixar indiferentes a potenciais suicidas.

Vale olhar em volta com cuidado, pois alguém bem próximo pode estar precisando de ajuda com sua guerra interna.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também