3 cuidados ao mentir sobre o seu CV (reduzindo o risco de ser descoberto)

Nunca foi tão fácil mentir, exagerar, tornar épico o que é banal em muitas carreiras

Exagerar, contar vantagens, tornar épico o que é banal são comportamentos humanos e tão antigos quanto a arte de contar histórias. Você retratou exatamente o que é e o que realizou no seu currículo, ou caiu na tentação desses comportamentos criando um personagem que não existe?

Nunca foi tão fácil mentir, exagerar, tornar épico o que é banal em muitas carreiras mas, aí reside o problema: nunca foi tão difícil manter a mentira longe de olhos atentos sem ser pego com as calças na mão e passar pelo constrangimento de ter o rótulo de mentiroso adicionado ao currículo. Esse é Paradoxo Linkedin criado pelo Professor Paul Von Comas da Universidade Amsterdã 3.

A hiperconectividade das redes sociais cria milhares de olhos atentos a todo tipo de minúcia que pode ser verificada e denunciada. Parece óbvio mas os escritores de ficção curriculares esquecem desse detalhe e das suas implicações. As consequências estão estampadas nas manchetes dos jornais, mas a alma humana parece ter pouca memória. Como chegamos a essa situação?

Até a década de 60 havia uma cultura de caráter: importava o que o indivíduo fazia, independente de suas ações virem a público ou não. Na cultura do caráter as aparências não importavam e o indivíduo prestava conta a si próprio sob a luz dos seus princípios e valores, esses inclementes e inflexíveis.

A partir da década de 70 passou a predominar (de forma crescente) a cultura da personalidade. Nela a aparência é muito mais importante do que a verdade. O indivíduo se preocupa com a própria imagem, como ela é construída e mantida. Presta-se conta a um eu interior utilitário, fluido e maleável, demasiadamente maleável.

Flash forward e…2020! As redes sociais deram uma turbinada gigantesca na cultura da personalidade, a tecnologia permitiu a criação de verdadeiros avatares de cada indivíduo. A cultura do caráter passou a ser um anacronismo para poucos e a arte de criar e contar histórias curriculares se espalhou como uma pandemia.

Um exemplo que ilustra a diferença de postura é a abordagem da atividade filantrópica individual. Antes o anonimato era condição para a doação, hoje as redes sociais estão abarrotadas de fotos de “doadores do bem” promovendo suas boas ações, fazendo “branding” pessoal sem a menor cerimônia nem interesse de disfarçar, porque é “cool’ ser solidário em tempos extraordinários.

Esse artigo é para lembrar que a tribo dos adeptos da cultura do caráter ainda existe, resiste silenciosamente e é fundamental para o resgate dos valores que estruturam e sustentam de verdade a sociedade.

Para  os adeptos da cultura da personalidade, que tem necessidade de pintar a própria história profissional, carregando nas tintas, ou criando peças de ficção, alguns cuidados que tornarão mais difícil a detecção dos “exageros” ou pequenas fraudes.

1 – Aumente mas não invente

Se você aumentou as vendas em dez milhões de dólares e coloca que foram trinta milhões, dificilmente esse número será verificado, principalmente se a companhia não publicar balanços. Atribuir a si próprio o crédito pela criação de um produto ou desenvolvimento de um novo negócio são coisas mais passíveis de verificação.

2 – Fique longe de credenciais verificáveis

É muito tentador ter um mestrado ou um doutorado no currículo,mas as instituições sérias e relevantes disponibilizam mecanismos de verificação das credenciais emitidas por ela. Qualquer headhunter mais diligente pode descobrir rapidamente se seu título não existe.

3 – Não envolva passagens onde você teve desafetos.

Você pode ter esquecido dos seus desafetos mas eles certamente não esquecerão de você, especialmente se seu currículo brilha no Linkedin e sua nova posição aguça nele aquela pontinha de inveja; ele terá muito prazer em mostrar que você é uma fraude.

PS: O Professor Paul Von Comas e a Universidade Amsterdã 3 não existem!

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE